Beltrame avalia processo contra pesquisador do Ipea

O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou hoje que estuda um processo na Justiça contra o economista e pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Daniel Cerqueira, que apontou erros nas estatísticas oficiais de homicídios pelo Estado, em estudo publicado no mês passado.

PEDRO DANTAS, Agência Estado

28 de novembro de 2011 | 18h33

Baseado em números fornecidos do Ministério da Saúde, Cerqueira mostrou que a queda de 268,7% no número de homicídios no Rio, a partir de 2007, coincidiu com um aumento do número de óbitos violentos cujas causas não foram esclarecidas. "Existem expressões neste documento que são muito sérias", disse o secretário.

"O documento (estudo) fala em escamoteamento de informações, má fé e ocultação. Os profissionais que trabalham nestas instituições como Instituto Médico Legal, o Instituto de Segurança Pública e a própria Secretaria de Saúde não estão satisfeitos com estas expressões. Não houve escamoteamento e muito menos má fé. Nós temos um instituto transparente há anos", afirmou Beltrame, antes do almoço que celebrou um ano de ocupação do Complexo do Alemão.

A pesquisa do economista foi o motivo do rebaixamento do grau de confiabilidade do Estado do Rio no Anuário, publicado pelo Ministério da Justiça e Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

"Fiquei surpreso e bastante perplexo. Surpreso porque acolhi com entusiasmo as primeiras palavras do secretário, que dizia estar em busca da verdade. Fiquei perplexo, porque vejo esta ameaça de processo como uma tentativa de restringir o livre exercício de pensamento e de pesquisa. Isto é contra o perfil e a envergadura de homem de Estado que é o Beltrame", declarou o economista.

Cerqueira afirmou que o objetivo do trabalho intitulado "Mortes violentas não esclarecidas e impunidade no Rio de Janeiro" não era desqualificar nenhuma instituição, mas mostrar o erro, segundo ele, indubitável.

Tudo o que sabemos sobre:
estudoIpeaviolênciaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.