Bênção e maldição

Para quem não é da cidade, não vive nela nem a conhece com intimidade, a percepção da violência no Rio é muito diferente: muito pior. Em São Paulo, graças a uma política de segurança eficiente, o crime e a violência tiveram quedas expressivas, enquanto cresceram as prisões e condenações, justo o inverso do Rio. É natural que os paulistas se assustem com a violência carioca, embora alguns, de tão apavorados, pareçam aqueles americanos que nos perguntam se no Brasil há cobras pelas ruas. Mas pernambucanos, mineiros e capixabas, que vivem em capitais com índices de violência maiores do que os nossos, não têm motivos para ter tanto medo de circular pela Cidade Maravilhosa. Mas têm.

Nelson Motta, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

A culpa é da mídia, que dá uma visão distorcida e exagerada, sempre dizem os que deveriam ser os responsáveis, confundindo mensagem e mensageiro para enganar quem paga a conta. Todos dizem isso, a diferença é como cada um reage: Hugo Chávez fecha os veículos. Mas a violência continua e cresce.

No Rio de Janeiro, dizem, é tudo culpa do tráfico de drogas, fonte, origem e irradiação de toda a violência e criminalidade que nos assolam. Mas por que cidades como São Paulo e Nova York, muito maiores e mais ricas do que o Rio, têm um mercado de drogas muito maior, mas índices de criminalidade muito menores do que o Rio de Janeiro ? Por que as quadrilhas de traficantes paulistas ou nova-iorquinos vendem cada vez mais drogas a mais gente, tem mais armamentos e dinheiro, mas não têm uma fração do poder que os traficantes favelados cariocas têm sobre a vida da cidade?

Não é só porque as polícias de São Paulo e de Nova York são mais eficientes e menos corruptas do que a do Rio de Janeiro. Seria tão primário quando acreditar que só a pobreza e a ignorância geram a violência e o crime. Por que, então? Diante da paisagem deslumbrante, vê-se que o Rio de Janeiro também é vítima de sua geografia privilegiada, com o crime organizado dominando os morros e sitiando a cidade. A natureza, as praias cercadas de montanhas, são a maior bênção do Rio. Mas, quem diria, também se tornaram a sua maior maldição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.