Bento XVI dá início a ritos da Semana Santa

Bento XVI dá início a ritos da Semana Santa

Em seu tradicional discurso, o papa não fez menção aos recentes escândalos envolvendo padres pedófilos

João Carlos de Faria, O Estadao de S.Paulo

02 de abril de 2010 | 00h00

O papa Bento XVI deu início ontem aos ritos litúrgicos da Semana Santa, que ocorre em um momento em que a Igreja Católica está cercada de denúncias envolvendo sacerdotes pedófilos na Europa e nos Estados Unidos. O papa não fez menção aos escândalos em seus discursos.

O pontífice realizou pela manhã a tradicional missa crismal, na Basílica de São Pedro. À tarde, celebrou a última cena de Cristo, na basílica de São João de Latrão. Como é tradição, o pontífice lavou, em sinal de humildade, os pés de 12 sacerdotes - o mesmo número de discípulos que acompanharam Cristo em seus últimos momentos.

"Maltratado, Cristo não ameaçou com vingança, pois confiava naquele que julga com justiça", disse o papa, durante a missa da manhã, naBbasílica de São Pedro, para os sacerdotes da diocese romana. Bento XVI fez menção ao sofrimento e garantiu que "a alegria que vem de Cristo nos dá a capacidade de sofrer e, no sofrimento, de continuar sendo profundamente felizes."

Durante as cerimônias, vários clérigos e cardeais manifestaram solidariedade ao pontífice em razão das críticas recebidas por sua condução dos escândalos de pedofilia na Igreja. O presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, o cardeal Francis George, arcebispo de Chicago, elogiou as medidas adotadas pelo papa para lidar com o problema. "Bento XVI foi o papa que nos deu as melhores ferramentas para fazer frente a essa crise, inclusive a maneira de ajudar na cura", disse George.

Aparecida. O Santuário Nacional de Aparecida deu continuidade à programação da Semana Santa, iniciada no Domingo de Ramos.

Ontem, cerca de 5 mil pessoas participaram da celebração da Missa do Crisma, realizada às 9 horas. A expectativa é de que 200 mil pessoas visitem a cidade até domingo.

A celebração teve a participação de 30 padres da Arquidiocese de Aparecida. Na homilia, o arcebispo de Aparecida, d. Raymundo Damasceno Assis, refletiu sobre a vocação sacerdotal e o período da Semana Santa.

Ao final da celebração, o reitor do Santuário Nacional, padre Darci Nicioli, leu uma carta escrita por d. Damasceno em solidariedade às acusações sofridas pelo papa Bento XVI referentes aos abusos sexuais de crianças cometidos por religiosos da Irlanda.

Hoje, a programação começa às 5 horas, com a celebração da via sacra, no morro do Cruzeiro, quando cerca de 20 mil pessoas devem participar do passo a passo da condenação, morte e ressurreição de Cristo.

Às 19h30, haverá encenação da Paixão de Cristo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.