Bento XVI é aplaudido em missa pela eleição do novo pontífice

Em sua homília, cardeal Angelo Sodano disse que a atitude fundamental de um papa é dar a própria vida pela de suas ovelhas

VATICANO, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2013 | 10h17

A missa pela eleição do papa na Basílica de São Pedro marcou, na prática, o início do conclave que se iniciaria, oficialmente, às 16h30, com a entrada dos eleitores na Capela Sistina.

Eram 10 horas quando os cardeais entraram na Basílica, onde eram aguardados por cerca de 10 mil pessoas. A procissão solene dos cardeais durou 15 minutos. Depois de percorrer o vão central da nave principal, os eleitores do conclave beijaram a mesa do altar do apóstolo Pedro e ocuparam as cadeiras vermelhas dispostas em semicírculo.

A missa foi rezada em latim, mas o cardeal decano Angelo Sodano, que presidiu a celebração, leu sua homilia em italiano. "A atitude fundamental de todo bom pastor é dar a vida por suas ovelhas", disse Sodano ao comentar o trecho do Evangelho que narra o episódio em que Jesus escolhe Pedro para chefiar a Igreja. "Isso vale, sobretudo para o sucessor de Pedro, pastor da Igreja universal, porque quanto mais alto o ofício pastoral, tanto maior deve ser a caridade do pastor."

Os fiéis, incluindo os cardeais e centenas de bispos, padres e freiras, aplaudiram por alguns minutos o papa emérito Bento XVI, quando o decano mencionou o nome dele, na primeira de três citações. "Queremos oferecer-nos com Cristo ao Pai que está nos Céus para agradecer-lhe pela amorosa assistência que sempre reserva à sua santa Igreja e em particular pelo luminoso pontificado que nos concedeu com a vida e as obras do 265.º sucessor de Pedro, o amado e venerado pontífice Bento XVI, ao qual neste momento renovamos toda a nossa gratidão", disse.

Sodano também citou um trecho da mensagem para a Quaresma deste ano, na qual Bento XVI falou sobre a evangelização, num dos últimos documentos publicados antes de ele renunciar. Na mensagem, o papa emérito, atualmente recolhido à residência de verão de Castelgandolfo, escreveu que a maior obra de caridade é a evangelização, e não a solidariedade e a simples ajuda humanitária, como às vezes se diz.

A missa acabou às 11h40. Na Praça de São Pedro, representantes do grupo de evangelização Shalom, aguardava a abertura do conclave. "Vamos pedir por aquele que Deus escolheu desde sempre", disse a cearense Maria Valetim, missionária consagrada do movimento que atua em Roma.

Após a missa, os cardeais voltaram para o almoço na Casa Santa Marta antes de se dirigirem à Capela Sistina para a abertura do conclave. / J.M.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.