Berlusconi diz que não tem 'nada de que se desculpar'

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, disse nesta sexta-feira que não tem "que se desculpar" pelos escândalos sexuais nos quais está envolvido e não teme ser chantageado. Ao mesmo tempo, ele se vangloriou de que seu apoio entre a população está em níveis recordes.

STE, REUTERS

07 Agosto 2009 | 13h11

Berlusconi, político de 72 anos cuja reputação tem sido afetada por frequentes revelações sobre suas relações com várias mulheres e festas com prostitutas, definiu as pessoas que espalham tais "histórias" como "anti-italianos que deveriam envergonhar-se de si próprios".

Não havia sinal de remorso na entrevista de Berlusconi à imprensa antes de entrar em férias, na qual apresentou os bons resultados de seus 14 meses no cargo. Ele não poupou elogios para seu papel na esfera diplomática, chegando a dizer que demonstrou um "toque de gênio".

"Ninguém pode me chantagear, e eu não tenho nenhum esqueleto no guarda-roupa. Não tenho nada do que me desculpar pela minha vida privada, nem mesmo para a minha família," disse ele aos repórteres.

A mulher de Berlusconi, Veronica Lario, disse em maio que queria se divorciar por causa do relacionamento dele com uma adolescente de Nápoles, a quem ele deu um colar de 6.000 euros em seu aniversário.

A revelação logo foi superada por histórias de prostitutas passando a noite na casa de Berlusconi e relatos de conversas íntimas secretas gravadas por uma mulher, Patrizia D'Addario, a quem foi feita a promessa de uma cadeira no Parlamento europeu.

Berlusconi, cujos flertes já haviam sido anteriormente motivo de reprimendas públicas de sua mulher, negou alguma vez ter pago por sexo.

"EU ADORO MULHERES"

Berlusconi já havia admitido que "não é nenhum santo," mas nesta sexta-feira negou acusações de chauvinismo, alimentadas por suas piadas sexistas e preferência por jovens bonitas para cargos políticos, tais como a ex-modelo Mara Carfagna, que posou várias vezes nua, para o posto de ministra da Igualdade.

"A imprensa estrangeira escreve que eu odeio as mulheres," disse ele. "Se há algo que eu adoro, são as mulheres."

Berlusconi diz que o jornal La Repubblica, de linha esquerdista, está promovendo uma campanha contra ele. Na entrevista à imprensa, Berlusconi acusou a TV estatal RAI --sobre a qual o primeiro-ministro tem controle político-- de ser tendenciosa contra ele.

Berlusconi, que está no seu terceiro mandato como primeiro-ministro, é também proprietário do maior grupo privado de comunicações da Itália, Mediaset.

(Reportagem adicional de Silvia Aloisi e Gavin Jones)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.