Bernardo reafirma proposta de 6,14% para reajuste de aposentados

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, reafirmou nesta terça-feira a proposta de reajustar em 6,14 por cento as aposentadorias e pensões acima de um salário mínimo.

REUTERS

04 de maio de 2010 | 16h14

"Eu não sei quanto que vai ser aprovado aqui (no Congresso), eu quero dizer que nós fizemos um acordo de 6,14 por cento", disse a jornalistas ao chegar para audiência em uma comissão do Congresso.

"Se houver alguma mudança aqui no Congresso nós vamos analisar. Eu sei que o presidente Lula já me disse que, se o índice exorbitar muito o acordo, ele vai vetar", acrescentou o ministro. "Se houver alguma coisa um pouquinho a mais, o presidente Lula vai analisar e eventualmente pode aceitar."

Paulo Bernardo defendeu o percentual de 6,14 por cento, lembrando que se trata de reajuste acima da inflação e que isso representa impacto de 3 bilhões de reais a mais na conta do governo. "Não temos condição de oferecer mais do que isso."

Deputados ligados aos aposentados defendem um reajuste superior a 7 por cento.

Para o ministro, a discussão sobre o percentual é "um campeonato para ver que oferecia mais", para ver "quem seria o autor da bondade". "Esse campeonato pra ver quem é melhor, nós não podemos entrar nisso", acrescentou.

(Reportagem de Bruno Peres)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAAPOSENTADOSPBERNARDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.