BH ganhará catedral com projeto de Niemeyer

A Arquidiocese de Belo Horizonte vai anunciar em breve o início da construção da Catedral Metropolitana Cristo Rei - Santuário da Divina Misericórdia. O projeto será de Oscar Niemeyer. Sonho antigo da Arquidiocese de BH, que neste ano celebra nove décadas, o projeto da catedral oficial da cidade pode ser visto também como uma espécie de reconciliação da Igreja na capital mineira com o centenário arquiteto.

AE, Agência Estado

11 Junho 2011 | 10h05

Inaugurada em 1943, a Igreja São Francisco de Assis - uma das obras mais famosas de Niemeyer, que integra o conjunto arquitetônico da Pampulha e se tornou um dos principais cartões-postais da cidade - foi renegada pela Arquidiocese, que proibiu a celebração de missas no seu interior por 14 anos. A Igrejinha da Pampulha, como é conhecida, só foi consagrada em 1957.

Desta vez, a própria Igreja decidiu encomendar os trabalhos do arquiteto. O novo projeto de Niemeyer está sendo finalizado e promete causar impacto. A intenção é erguer uma construção imponente, que seja representativa da Arquidiocese. "A nova catedral despertará tal impacto", disse Niemeyer.

O projeto prevê que a Catedral Metropolitana seja construída em um terreno próximo à Cidade Administrativa - monumental complexo administrativo do governo mineiro, também projetado por Niemeyer, que reúne quase todas as secretarias do Estado e seus órgãos vinculados em 804 mil metros quadrados.

O complexo que inclui o templo terá três pavimentos e uma praça com altar externo para missa campal. "Essa praça abrange a catedral e um surpreendente altar externo localizado na outra extremidade, que vai assegurar que cerca de 20 mil fiéis possam assistir a missas e outros eventos", explicou o arquiteto. Segundo Niemeyer, a catedral será construída em forma de cúpula, com 60 metros de diâmetro, suspensa por duas estruturas a 100 metros de altura. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
BH catedral Niemeyer Igreja

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.