Bingo estourado e advogado preso

Depois de receber denúncias de funcionamento de um bingo clandestino, uma equipe do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE) dirigiu-se a um prédio da Rua Fortunato, Santa Cecília, centro da capital paulista. Ao chegar no local, por uma porta lateral, os policiais não encontraram ninguém, mas 55 máquinas de videobingo estavam ligadas e havia sinais de que os freqüentadores haviam deixado o lugar às pressas: cinzeiros com pontas de cigarros ainda acesas, copos com bebidas geladas e outros indícios.Enquanto a remoção dos equipamentos era providenciada, chegou ao local o advogado Antônio Carlos da Silva Lima, que lhes apresentou sua identificação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e lhes ofereceu a quantia de R$ 3,95 mil para que não realizassem a apreensão. Ele foi preso e levado ao 77º DP.

OSWALDO FAUSTINO, Agencia Estado

12 de setembro de 2007 | 07h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.