Bispos sequestrados na Síria seguem desaparecidos, dizem fontes da igreja

Dois bispos sírios sequestrados por homens armados na segunda-feira ainda estão desaparecidos, disseram fontes da igreja nas cidades de Damasco e Aleppo nesta quarta-feira, contradizendo informação de que haviam sido libertados.

Reuters

24 de abril de 2013 | 07h49

Uma fonte da Arquidiocese Ortodoxa Siríaca de Aleppo disse que os bispos não foram libertados e que não tinha conhecimento de qualquer contato com os sequestradores. No Patriarcado Greco-Ortodoxo de Damasco, uma fonte também disse que não havia nenhuma indicação de que eles teriam sido soltos.

O arcebispo da Igreja Ortodoxa Grega, Paul Yazigi, e o arcebispo da Igreja Ortodoxa Siríaca, Yohanna Ibrahim, foram capturados perto do centro comercial e industrial de Aleppo, o que é contestado pelos rebeldes e as forças leais ao presidente Bashar al-Assad.

Autoridades atribuem o sequestro a um "grupo terrorista", como costumam chamar os rebeldes anti-Assad, mas combatentes da oposição na província negaram ter capturado os dois.

Os cristãos compõem menos de 10 por cento da população síria e, a exemplo de outras minorias religiosas, veem com preocupação a luta de insurgentes sunitas -incluindo aliados da Al Qaeda- contra o presidente Bashar al-Assad, que pertence à seita alauíta, uma vertente do islamismo xiita.

(Reportagem de Dominic Evans)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIABISPOSDESAPARECIDOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.