Black Flags

Fundador e líder do grupo alemão de digital hardcore Atari Teenage Riot, que se apresenta sexta-feira (15) em São Paulo, o alemão Alec Empire, 40 anos, é fanático por música - do menos óbvio jazz ao evidente punk. Mas, ao longo de mais de uma hora ao telefone, falou pouco sobre isso. Sua atenção - e não é de hoje - está muito voltada para política e, principalmente, para o uso político da internet. Disso, ele fala muito. E sem parar.

Douglas Vieira - douglas.vieira@grupoestado.com.br,

11 Junho 2012 | 03h08

Alec é um catalisador de ideias libertárias que encontram na internet um ambiente perfeito para se propagarem e se alimentarem de outros pensamentos. Mas ele não se limita a pensar. Está sempre ligado à ação.

Sua atuação aparece claramente no que diz em suas letras, no que exibe em seus vídeos, mas, principalmente, nas posturas que assume.

E, após 10 anos de intervalo nos trabalhos com sua banda, ele retomou as atividades justamente enquanto o mundo descobria as ideias defendidas pelo movimento Occupy Wall Street, que rapidamente chegou a diversos outros lugares além de Nova York. A internet foi de grande importância para espalhar as ideias e, entre os vídeos virais que circulavam, estava o da música "Black Flags", em que aparecem tanto os manifestantes do OWS como integrantes do Free Anons, instituição que recebe doações para apoio financeiro a pessoas ligadas ao grupo hacktivista Anonymous que estão sendo processadas, e que Alec apoia ativamente. "Em 'Black Flags' eu parto do princípio de que o governo também é parte do problema. E falo de coisas como WikiLeaks e o caso de Bradley Manning (ex-soldado americano preso e processado por supostamente ter acessado e divulgado informações sigilosas dos EUA para o WikiLeaks). Crimes verdadeiros foram expostos por eles e, por isso, tiveram muitos problemas. Não existem justificativas para esse tipo de coisa", sentencia.

Para Alec, diferente do uso que muitos artistas costumam fazer, a internet é mais do que apenas um acumulado de redes sociais para manter contato e aumentar o número de fãs e seguidores. Para ele, é uma experiência que viabiliza a liberdade e a anarquia, em sentidos mais filosóficos - um espaço para se debater e fazer política, além de ajudar na organização de ações que contestem e investiguem governos e a própria sociedade.

"Acredito que cada indivíduo tem mais poder do que realmente sabe. Falta entendermos realmente as possibilidades do que fazemos online", explica. "Uma das melhores coisas que vieram com a internet é o fato de as pessoas aos poucos perceberem que elas podem fazer algo acontecer de verdade", explica.

Alec se refere, entre outras ações, à organizações como o WikiLeaks de Julian Assange e também menciona sites de compartilhamentos de arquivos - em comum aos dois, existe a atenção especial de instituições como o FBI. Desde os primeiros downloads, lá nos tempos de Napster, o escritório federal de investigação dos EUA tem passado cada vez mais tempo pensando em maneiras de limitar as ações de troca de conteúdo na rede - o que pode significar, de certa maneira, limitar drasticamente o fluxo livre de informações que nasceu com a própria internet.

E isso o músico e ativista alemão considera inaceitável. "Quanto mais você tenta regular mais você a destrói", sentencia. "As pessoas pensam, então precisam assumir a responsabilidade e estimular as mentes passivas."

A postura de hoje exemplifica o ativismo que deu projeção ao Atari Teenage Riot, e consequentemente ao próprio Alec, no início da década de 90, quando usaram recursos tecnológicos para criar melodias extremamente agressivas. Era o peso necessário para ilustrar as mensagens antifascistas e antinazistas que eles cantavam, justamente em uma época em que pensamentos neonazistas voltavam a ganhar força, principalmente na Europa.

E, hoje, com o que se vê - seja em comentários em sites e blogs ou em grupos declaradamente de intolerância, entre inúmeros outros exemplos - é que esse tipo de pensamento infelizmente ainda tem vocação para crescer. "Você pode ser quem você quiser na internet. Pode até ser um imbecil, que escreve coisas estúpidas. Mas sempre defenderei uma sociedade em que a internet seja livre e de graça", conclui.

Para chegar a essa conclusão, Alec parte do que considera um importante papel da rede: "O primeiro argumento dos conservadores que acreditam que a internet deve ser regulada é o suposto crescimento de coisas como a pornografia infantil", diz, para em seguida contestar. "Vejo de maneira muito diferente. Há 20 anos, eu não tinha ideia de que havia tantos pedófilos investindo tempo e dinheiro nesse crime horrível. Então acredito que a internet não é um caminho para incentivar esse tipo de coisa. É um meio para as pessoas perceberem mais profundamente o problema, terem a dimensão de que é maior do que parece. A luz no fim do túnel é uma tela de computador".

SERVIÇO

ATARI TEENAGE RIOT, NO CINE JOIA. Pça. Carlos Gomes, 82, metrô Liberdade, (11) 3231-3705. Sexta-feira (15), 23h (abertura da casa: 21h). R$ 60/R$ 120.

Informações: www.cinejoia.tv

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.