Bolívia teme inundações por usinas brasileiras na Amazônia

A Bolívia teme que as gigantescas represas das usinas de Jirau e Santo Antônio, em construção no Amazônia brasileira, provoquem inundações e causem danos à economia e às populações indígenas bolivianas, afirmou nesta sexta-feira o vice-chanceler Juan Carlos Aldurralde.

REUTERS

10 Junho 2011 | 17h35

Aldurralde afirmou em um seminário que o governo da Bolívia não estava plenamente satisfeito com os relatórios elaborados pelo Brasil em defesa das obras hidrelétricas, que entrarão em operação entre 2012 e 2013, e que esperava mais esclarecimentos e garantias em futuras conversações.

"Estamos muito preocupados na Bolívia com os possíveis impactos das usinas brasileiras, especialmente a de Jirau (...), por isso é necessário trabalhar esses temas conjuntamente com o Brasil", afirmou Aldurralde a jornalistas durante um seminário em que vários projetos do setor de energia brasileiro foram apresentados.

Aldurralde afirmou que a Bolívia estabeleceu que as represas de Jirau e Santo Antônio --ambas na bacia do Rio Madeira, importante afluente do Amazonas- provocarão extensas inundações e alterações no fluxo de água que, inclusive, inviabilizariam outros projetos hidrelétricos no território boliviano.

O governo esquerdista de Evo Morales afirmou recentemente que está a ponto de concluir o projeto de uma grande usina em Canchuela Esperanza e outra na região de El Bala, na bacia amazônica boliviana, que somariam um potencial de geração elétrica de até 5 mil megawatts.

Entre os danos ambientais que as usinas brasileiras causariam, Aldurralde citou a inundação de bosques e áreas agrícolas, extinção de espécies aquáticas, impacto na saúde da população, perda de vegetação e migração de populações indígenas e campestres.

O primeiro secretário da embaixada do Brasil na Bolívia, Ruy Ciarlini, disse à Reuters possuir "dados científicos que nos mostram não existir nenhum risco."

(Reportagem de Claudia Soruco)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIA BOLIVIA JIRAU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.