BOLSA EUA-Wall Street tem primeira semana positiva em três

As bolsas de valores dos Estados Unidos tiveram a primeira semana positiva em três, com lucros corporativos ajudando Wall Street nesta quinta-feira.

REUTERS

21 de abril de 2011 | 17h56

Ainda assim, os ganhos foram limitados por cautela diante dos 180 balanços de empresas cujas ações de empresas que integram o Standard & Poor's 500 e que serão divulgados na semana que vem.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, subiu 0,42 por cento, aos 12.505 pontos. O S&P 500 avançou 0,53 por cento, para 1.337 pontos. O indicador tecnológico Nasdaq teve ganho de 0,63 por cento, para 2.820 pontos.

Na semana, mais curta pelo feriado da Sexta-feira da Paixão, o Dow Jones e o S&P 500 tiveram cada um ganho de 1,3 por cento, enquanto o Nasdaq exibiu alta de 2 por cento.

O S&P 500 ficou mais perto do patamar dos 1.340 pontos, nível que desencadeou um movimento de realização de lucros muitas vezes durante o mês. Alguns acreditam que a dificuldade de romper os 1.344 pontos, recente máxima do indicador, é um sinal técnico para baixa subsequente das ações.

O desempenho do mercado acionário norte-americano foi impulsionado neste pregão por fortes resultados divulgados por empresas como a Apple, que apresentou seu balanço trimestral após o fechamento da quarta-feira.

O otimismo com os lucros corporativos se sobrepôs à divulgação de indicadores econômicos pouco animadores.

Um relatório mostrou que a atividade manufatureira no Meio-Atlântico dos EUA caiu mais que o esperado em abril. O índice de atividade empresarial do Fed de Filadélfia caiu de 43,4 em março para 18,5 em abril. Economistas previam leitura de 37,0.

As ações da Apple fecharam em alta de 2,42 por cento, a 350,7 dólares, reagindo ao lucro trimestral acima das expectativas de Wall Street.

A fabricante do iPad e do iPhone se juntou à Intel, United Technologies e a outros nomes do mundo tecnológico que elevaram a percepção sobre o vigor corporativo nos EUA.

Mesmo o Morgan Stanley, que reportou pela manhã uma queda de perto de 50 por cento no lucro, viu alta de 1,69 por cento para suas ações, graças ao resultado com renda fixa mais forte que o esperado.

Mas a ação do McDonald's recuou quase 2 por cento. A maior rede de lanchonetes do mundo alertou para o aumento da inflação dos alimentos.

A General Electric teve baixa de 2,2 por cento, já que o resultado trimestral do grupo não impressionou investidores, apesar do aumento de 80 por cento no lucro e do aumento do dividendo.

(Por Ed Krudy e Rodrigo Campos)

Mais conteúdo sobre:
WALLSTFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.