Bomba causou acidente na Rússia

Atentado terrorista que matou pelo menos 26 passageiros de um trem foi o pior desde 2005

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

Autoridades russas confirmaram ontem que uma bomba causou o descarrilamento de um trem expresso de luxo, deixando 26 mortos e cerca de 100 feridos. Foi o pior ataque no país em cinco anos. "De fato, foi um ataque terrorista", disse à agência de notícias Interfax o porta-voz da promotoria federal, Vladimir Markin.

O Expresso Nevsky, com 14 vagões, carregava 682 passageiros e 29 tripulantes. O trem descarrilou a cerca de 250 quilômetros de Moscou, na sexta-feira à noite na movimentada linha férrea que liga a capital do país a São Petersburgo, segunda maior cidade da Rússia.

"Peritos disseram que, baseados em conclusões preliminares, a explosão sete quilos de TNT foi registrada", disse Alexander Bortnikov, chefe do serviço federal de segurança.

Detetives disseram que encontraram uma cratera embaixo dos vagões destruídos e fragmentos do que se acredita ser uma bomba de fabricação caseira. De acordo com a polícia, uma segunda bomba explodiu ontem no mesmo local, mas não deixou feridos.

AUTORIA

Ontem, de acordo com a agência France Presse, o grupo nacionalista russo Combat 18 reivindicou a autoria do atentado. A informação foi baseada em uma mensagem postada na internet por um ativista do grupo, que dizia que a "guerra conduzida pelos nacionalistas afetará a todos". O governo da Rússia, no entanto, não confirmou a informação.

O atentado foi o pior já sofrido pela Rússia fora da turbulenta região do Cáucaso desde 2005. O ataque aumentou o temor de haja uma escalada de violência no interior do país patrocinada por rebeldes islâmicos.

RESGATE

Equipes de resgate trabalharam ontem durante todo o dia em busca de sobreviventes. Segundo fontes ligadas ao Kremlin, 18 pessoas ainda estão desaparecidas. Há ainda, de acordo com as equipes de resgate e o governo, muitas dúvidas quanto ao número exato de vítimas.

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, em uma reunião de emergência, enviou ontem suas condolências às famílias dos mortos e disse a seus ministros para darem total assistência às vítimas, incluindo tratamento médico e compensação financeira.

O presidente da Rede Ferroviária Russa, Vladimir Yakunin, disse a jornalistas que a explosão era parecida com outra que ocorreu em agosto de 2007, que descarrilou um Expresso Nevsky na mesma rota e deixou 30 feridos. Em dezembro de 2003, uma bomba explodiu um trem de passageiros no norte do Cáucaso, matando 47 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.