Bomba explode na sede da OAB no Rio

Um artefato explodiu por volta das 15h50 desta quinta-feira na escadaria que liga o oitavo e o nono andares do prédio onde funciona a sede estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio, na avenida Marechal Câmara, no centro. Ninguém se feriu, mas a explosão causou pânico. Avaliação preliminar dos destroços indica que se tratava de uma bomba do tipo popularmente conhecido como "cabeça de nego".

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

07 de março de 2013 | 19h45

Logo após o episódio, o Corpo de Bombeiros informou ao presidente estadual da OAB, Felipe Santa Cruz, ter recebido denúncia anônima segundo a qual três artefatos (dois explosivos e um de efeito moral) seriam detonados no prédio da OAB-RJ. Orientado pelos bombeiros, Santa Cruz determinou que o prédio fosse evacuado. O Esquadrão Antibombas da Polícia Civil foi chamado, promoveu uma varredura e localizou, intactas, três bombas semelhantes à que explodiu.

Informações recebidas pelo Disque-Denúncia indicam que a explosão seria uma tentativa de intimidar o advogado Wadih Damous, que presidiu a OAB-RJ até fevereiro e na próxima segunda-feira vai assumir a presidência da Comissão da Verdade do Estado do Rio. Esse grupo será responsável por investigar no âmbito estadual ações cometidas pelos órgãos de repressão durante a ditadura militar (1964-1985).

"Considero isso uma provocação. O primeiro caso que vamos investigar na Comissão da Verdade será a morte da secretária Lyda Monteiro, em 1980, aqui na sede da OAB, com uma carta bomba. É possível, e isso as autoridades policiais vão esclarecer, que os autores desse atentado de 1980 possam ter tomado esta atitude extrema. Mas isso em nada vai recuar o trabalho da comissão", disse Damous.

Segundo a OAB-RJ, estava programada para esta quinta-feira uma reunião na entidade, da qual Wadih participaria, para discutir a exclusão de dez advogados. "A OAB lamenta profundamente que sombras do passado, contra a qual a Ordem sempre lutou, reapareçam em tempos de democracia", afirmou Santa Cruz.

Tudo o que sabemos sobre:
OABbombaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.