Bomba mata 14 pessoas em café turístico no Marrocos

Uma bomba matou 14 pessoas, incluindo estrangeiros, em um destino turístico bastante movimentado de Marrakesh nesta quinta-feira, em um ataque com a marca de militantes islâmicos.

YOUSSEF BOUDLAL, REUTERS

28 Abril 2011 | 13h50

A explosão aconteceu em um café com vista para a praça Jamma el-Fnaaa, local que está sempre lotado de turistas. Um fotógrafo da Reuters disse que viu equipes de resgate removendo corpos de vítimas no meio dos escombros.

O telhado sobre o segundo andar do café foi arrancada pela força da explosão, e pedaços do emboço e fios elétricos ficaram espalhados.

Se a bomba tiver sido colocada por um militantes islâmicos, esse será o primeiro grande ataque de militantes no Marrocos desde 2003, quando uma série de explosões suicidas na capital comercial Casablanca matou ao menos 45 pessoas.

A explosão desta quinta deve prejudicar o turismo no Marrocos -- uma importante fonte de receita do país -- que já sofre para recuperar-se após a crise econômica global.

Dois moradores de Marrakesh que estavam próximos da praça disseram à Reuters que a explosão foi provocada por um homem-bomba, mas não houve confirmação imediata por parte das autoridades.

"Ouvi uma grande explosão. O primeiros e segundo andares do prédio ficaram destruídos", disse uma moradora, que pediu para não ser identificada. "Algumas testemunhas disseram que viram um homem com uma mala entrando no café antes da explosão."

O café fica na cidade velha de Marrakesh, que é tombada como patrimônio cultural da ONU. O local fica sempre cheio de contadores de histórias e encantadores de cobras entretendo turistas.

"Não existe um alvo mais emblemático que a praça Jamma el-Fnaa", disse um francês dono de restaurante na cidade. "Com esse ataque e em meio a preocupações de instabilidade na região, o turismo vai sofrer por algum tempo", acrescentou o empresário, que pediu anonimato.

(Reportagem adicional de Souhail Karam e Zakia Abdennebi em Rabat)

Mais conteúdo sobre:
MARROCOSEXPLOSAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.