Bombeiros detonarão 4 rochas para resgate em pedreira

Familiares dos dois trabalhadores soterrados no último dia 12, na Pedreira Santa Tereza, localizada na área continental de Santos, nas proximidades da Rio-Santos, quase não têm mais esperanças de reencontrá-los vivos. Para diminuir o sofrimento da espera, a empresa instalou um sistema de câmeras de monitoramento das operações, a fim de que as famílias acompanhem tudo de perto e não corram riscos com as detonações, que vão continuar.

ZULEIDE DE BARROS, Agência Estado

22 de abril de 2011 | 18h35

Hoje, o trabalho dos bombeiros se concentrou na retirada do entulho decorrente das oito implosões e nos preparativos para a detonação de quatro rochas de grandes proporções, que ainda precisam ser retiradas. As pedras pequenas, que impediam o acesso ao local do soterramento, já foram retiradas.

O trabalho é extenuante para as equipes de resgate, que não diminuíram o ritmo, apesar dos feriados e do calor intenso na região. Um magnetômetro, equipamento que indica a proximidade com metais, foi colocado à disposição dos bombeiros, com a finalidade de localizar os dois veículos que eram operados pelos trabalhadores desaparecidos (um caminhão e uma retroescavadeira), no momento em que foram engolidos pela avalanche. Cães farejadores da Polícia Militar também ajudam nas buscas.

Mais conteúdo sobre:
pedreiraresgateoperários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.