Bombeiros distribuem 334 toneladas de alimentos no RJ

O Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro informou hoje que "recolheu e distribuiu" 359 mil litros de água e 334 toneladas de alimentos não perecíveis e produtos de higiene pessoal para vítimas de deslizamentos e inundações na região serrana. As doações foram feitas nos 106 quartéis da corporação estadual.

EQUIPE AE, Agência Estado

25 de janeiro de 2011 | 20h02

O material foi levado para abrigos nos municípios de Teresópolis e Nova Friburgo, "onde se concentram o maior número de desalojados e desabrigados". No entanto, segundo balanço da Defesa Civil, Petrópolis tem mais desalojados (5.696) que Friburgo (3.220). Em Teresópolis são 6.210. O município também registra o maior número de desabrigados: 5.058. O segundo nesse ranking é Friburgo (2.184). Nos 16 municípios afetados, há 12.163 desabrigados e 18.079 desalojados.

Amanhã, o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio deverá apresentar relatório preliminar sobre os efeitos e "possíveis causas" da tragédia. A Marinha informou que, com o restabelecimento de serviços públicos de saúde, o Hospital de Campanha instalado há 11 dias em Friburgo será desmontado. Oficialmente, houve 2.205 atendimentos.

A aeronave militar colocada à disposição para resgate de vítimas e transporte de suprimentos foi desmobilizada. No entanto, segundo os bombeiros, os trabalho de busca de corpos continua. O governo do Estado informou que vai isentar do pagamento de taxas, durante seis meses, as empresas sediadas nas localidades atingidas pelas chuvas.

Segundo o vice-governador e secretário estadual de Obras, Luiz Fernando Pezão, as primeiras casas para desabrigados devem ser erguidas na Fazenda da Laje, em Friburgo. "As moradias vão ser construídas no âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida, e a presidente Dilma anunciará, na próxima quinta-feira, no Rio, os projetos".

Tudo o que sabemos sobre:
chuvasRiodesastredoações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.