Bombeiros protestam na orla de Copacabana

Centenas de pessoas, entre militares e civis, deram início, pouco depois das 10h da manhã deste domingo, à passeata em favor dos bombeiros do Estado do Rio, na orla de Copacabana, zona sul da capital fluminense. O movimento acontece um dia após a libertação dos mais de 400 militares presos no quartel de Charitas, em Niterói.

SABRINA VALLE, Agência Estado

12 Junho 2011 | 11h07

A passeata é acompanhada por muitos moradores da cidade, vestidos de vermelho, e conta com a forte presença de idosos e crianças. A ONG Rio de Paz colocou na areia da praia de Copacabana 439 balões de gás vermelhos com uma cruz branca, representando cada um dos bombeiros presos. Os balões serão soltos pelos próprios militares, ao lado de parentes.

O presidente da organização, Antonio Costa, afirmou, no carro de som, que os bombeiros foram atraídos para uma cilada do governo do Estado e que conseguirão extinguir o processo contra os militares que participaram da invasão ao Quartel General da corporação, há uma semana.

A aposentada Carmelita Souza, de 76 anos, é uma das civis que acordou cedo hoje para apoiar o movimento. Vestida com camisa vermelha de bolinhas pretas, ao lado de seu cão poodle, Carmelita defendeu que os bombeiros deveriam ter recebido um melhor tratamento pelo Estado. "Vim prestigiar. Quando tem uma ventania na minha rua, é o bombeiro que vem a qualquer hora. R$ 900 não é um salário digno. Eu choro cada vez que abro os jornais", disse.

Mais conteúdo sobre:
bombeiros greve Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.