Bope deixa o Complexo do Alemão

Apesar do anúncio feito na terça-feira pelo Comando de Polícia Pacificadora de que o Batalhão de Operações Especiais (Bope) ocuparia o Complexo do Alemão, na zona Norte do Rio, por tempo indeterminado, a tropa de elite da PM fluminense deixou a favela na madrugada desta quarta-feira.

MARCELO GOMES, Agência Estado

25 de julho de 2012 | 12h50

As equipes foram transferidas para dois morros, na Zona Norte, após a Coordenadoria de Inteligência da PM receber a informação de que traficantes que participaram do ataque à sede da UPP Nova Brasília teriam deixado o Complexo do Alemão. Homens do Bope e do Batalhão de Choque ocuparam o Morro do Chapadão, em Costa Barros, e equipes do 41º Batalhão (Irajá) fazem buscas no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho.

Os policiais chegaram às favelas às 3 horas. Até o meio-dia, dez suspeitos de envolvimento com o tráfico e dois adolescentes haviam sido presos nas duas comunidades. Foram apreendidos uma granada, uma pistola 9mm, uma capina .30, grande quantidade de maconha, cocaína, crack, cheirinho da loló, ecstasy, e material para embalar drogas.

O major Ivan Blaz, do Bope, disse que a polícia já identificou alguns dos criminosos que participaram do ataque à UPP Nova Brasília e da emboscada, que resultou na morte da soldado Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, na noite de segunda-feira. "Foi um atentado contra a UPP, a polícia e a sociedade carioca. A PM está indignada com a morte da nossa irmã e vamos até o fim para localizar e prender esses bandidos", disse o major.

Entre os procurados estão Regis Batista, o RG, Ilan Sales, o Capoeira, Alan Monteiro, o Da Lua, Fernando Batista, o Alemão.

Tudo o que sabemos sobre:
MORTEPOLICIALALEMÃOBOPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.