Brasil apresenta à ONU proposta antidesmatamento

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, espera que um ?compromisso ético? seja suficiente para convencer os países ricos a doarem recursos para o mecanismo de incentivo à redução de desmatamento que o Brasil vai propor em Nairóbi.A ministra concedeu entrevista exclusiva à BBC Brasil horas antes da apresentação oficial do plano à comunidade internacional, que deve acontecer no fim da tarde desta quarta-feira na Conferência da ONU sobre mudanças climáticas na capital do Quênia. A proposta prevê a criação de um fundo internacional de compensação para a redução de emissões. Segundo entrevista da ministra à BBC, o fundo teria caráter voluntário "para o qual os países, ou mesmo outros setores aportariam recursos" e todas as vezes que um país reduzir suas emissões, o crédito seria acessado. "Entendemos que o que vai mobilizar pessoas para injetar recursos nesse mecanismo, nesse fundo, é exatamente o compromisso ético que as pessoas têm com a redução do CO2 e em ajudar os países que são detentores de grandes florestas a preservá-las."?Como o Brasil tem feito um esforço muito grande para diminuir o desmatamento e assim reduzir emissões, achamos que é correto que os países desenvolvidos possam aportar voluntariamente recursos para poder compensar positivamente aqueles que estão fazendo estas reduções, uma vez que elas beneficiam globalmente o interesse de todos?, disse a ministra.?Ouvimos de muitos países a preocupação com a proteção de florestas tropicais. Se para os países desenvolvidos é muito difícil mudar a matriz energética, para os países em desenvolvimento é difícil mudar o modelo de desenvolvimento (para adotar um desenvolvimento sustentável)?, disse.A ministra descarta veementemente a idéia de que o Brasil deveria estabelecer metas de redução do desmatamento - como cobram muitas ONGs, ambientalistas e governos estrangeiros - e afirma que o governo brasileiro já tem seus compromissos de redução do desmatamento estabelecidos internamente e que se esforça muito para alcançá-los.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.