Brasil assiste a eclipse parcial do Sol nesta terça-feira

O melhor meio de observar um eclipse é projetar a imagem do Sol em um anteparo branco, como uma cartolina

Carlos Orsi, estadao.com.br

10 de setembro de 2007 | 16h08

Moradores da maioria dos Estados brasileiros, com exceção dos localizados ao norte do Acre e da maior parte do Nordeste, poderão assistir a um eclipse parcial do Sol na manhã desta terça-feira, 11. Em São Paulo, o fenômeno terá início às 7h39, cerca de uma hora e meia após o amanhecer. No Rio, a sombra da Lua "morde" o Sol a partir das 7h43.   Em um eclipse parcial, a sombra da Lua, vista da Terra, não encobre totalmente o Sol, deixando apenas uma marca escura sobre o astro. Nesta terça-feira, de fato, a parte mais intensa da sombra, chamada umbra, não atingirá a Terra, projetando-se 802 km abaixo do Pólo Sul, em pleno espaço sideral.   Já a parte mais tênue da sombra, a penumbra, passará pela da América do Sul e pela Antártida. Essa penumbra tocará a Terra na Bolívia, às 7h26 (hora de Brasília) e correrá para o leste e para o sul.    No Brasil, será visível por pouco mais de meia hora em Salvador, das 8h06 às 8h37, e por mais de duas horas em Porto Alegre, de 7h41 a 9h56. Em Rio Branco, capital do Acre, o eclipse começa três minutos após o nascer do Sol e dura uma hora.   Especialistas alertam para os riscos de olhar diretamente para o Sol sem proteção. O método mais seguro para observar um eclipse é jamais olhar para o Sol, e em vez disso projetar a imagem do astro sobre uma superfície branca.   Radiografias e filmes velados não são filtros seguros. O melhor filtro é um vidro para máscara de soldador número 14.

Tudo o que sabemos sobre:
eclipsebrasilsol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.