Brasil cresce mais que o previsto no 3o trimestre

A economia brasileira cresceu mais que o previsto no terceiro trimestre, ajudada pela demanda interna e por investimentos num período ainda pouco afetado pela piora da crise financeira global. O Produto Interno Bruto (PIB) avançou 1,8 por cento no terceiro trimestre em relação ao segundo e 6,8 por cento ante igual período do ano passado, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. Economistas consultados pela Reuters previam expansão de 1,2 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) na leitura trimestral e alta de 5,6 por cento na comparação anual. A crise externa ganhou força apenas a partir da metade de setembro, com o colapso do banco de investimento Lehman Brothers. A partir daí, os sinais de recessão global começaram a aparecer --o que leva analistas a prever uma contração do PIB também no Brasil no quarto trimestre. Entre os componentes do PIB, o consumo das famílias cresceu 2,8 por cento no terceiro trimestre ante o segundo e 7,3 por cento frente a igual período do ano passado --a 20a expansão consecutiva nesse tipo de comparação--, ajudado pela melhora da massa salarial. A formação bruta de capital fixo --uma medida dos investimentos-- avançou 6,7 por cento na relação trimestral e 19,7 por cento ano a ano. Esse aumento, segundo o IBGE, é "explicado principalmente pelo aumento da produção interna e da importação de máquinas e equipamentos". A indústria cresceu 2,6 por cento sobre o segundo trimestre; o setor agropecuário expandiu-se 1,5 por cento e o setor de serviços teve alta de 1,4 por cento. A taxa de investimento do país atingiu 20,4 por cento do PIB no terceiro trimestre, a maior da série histórica. (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Texto de Daniela Machado; Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.