Brasil dá ''goleada'' nos negócios, diz jornal argentino

Segundo ''Cronista Comercial'', firmas brasileiras fizeram de Buenos Aires ''sucursal do RJ''.

BBC Brasil, BBC

17 Julho 2007 | 06h46

Além do futebol, o Brasil também dá "goleada" no campo da economia, diz nesta terça-feira uma matéria do jornal econômico argentino El Cronista Comercial. Sob o título "Também nos negócios, a goleada é brasileira", o jornal argentino retrata o crescente investimento de firmas brasileiras na economia vizinha, sobretudo através da compra de concorrentes. O texto chega a afirmar que a capital argentina, Buenos Aires, "virou uma sucursal do Rio de Janeiro". "Nos últimos anos, os industriais brasileiros se apossaram dos sapatos que os argentinos calçam, da cerveja que bebem, da carne que comem, da gasolina com que abastecem seus carros, do cimento com que constroem suas casas", diz o jornal argentino. "Depois de uma fase inicial de grandes compras (Quilmes, PeCom, Loma Negra, Swift), as empresas desse país se expandem na economia local com a velocidade do ataque de um lateral do outra vez campeão da América." Dados citados na matéria afirmam que a fatia do Brasil no total de investimentos diretos externos da Argentina saltou de 1,4% no período 1994-2001 a 22,1% em 2002-2005. A consultoria Abeceb disse ainda que as empresas brasileiras anunciaram desembolsos de US$ 3 bilhões entre 2006 e o primeiro trimestre de 2007. O fenômeno, explica o jornal, ocorre porque empresas brasileiras têm meios para se capitalizar - através do sistema bancário ou do mercado financeiro - e estão sendo ajudadas, nos últimos anos, pela apreciação do real, que já desceu à cotação de US$ 1,86. Na transição brasileira a "ator global", diz um consultor ao jornal, "a Argentina é uma escala obrigatória". Para o Cronista Comercial, a invasão das empresas brasileiras mostra "outro exemplo de uma velha piada que ficou desatualizada: Buenos Aires não é a capital do Rio de Janeiro, e sim uma sucursal". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.