Brasil e Chávez dominaram debate internacional na campanha argentina

Principais candidatos à Presidência citaram Brasil como modelo a ser 'admirado'.

Marcia Carmo, BBC

26 de outubro de 2007 | 20h50

O Brasil e o presidente venezuelano, Hugo Chávez, marcaram o debate sobre temas internacionais durante a campanha eleitoral argentina. No discurso de lançamento de sua campanha, em julho, na cidade de La Plata, a primeira-dama e senadora Cristina Fernández de Kirchner, da Frente para a Vitória, citou o Brasil como exemplo industrial a ser seguido. Cristina fez também referência à Embraer como uma das empresas símbolos da indústria nacional brasileira. Esta semana, poucos dias antes das eleições presidenciais deste domingo, a candidata não respondeu à pergunta de dois jornalistas do programa "A Dos Voces", da emissora TN (Todo Noticias), sobre o que achava da venda de empresas argentinas para companhias brasileiras. A pergunta reflete um assunto que, nos últimos tempos, não sai das páginas dos principais jornais argentinos. "Nossa indústria precisa continuar crescendo, sendo ampliada", disse Cristina.Durante a campanha, Cristina e o presidente Néstor Kirchner inauguraram uma fábrica brasileira de tênis, na localidade de Chivilcoy, na província de Buenos Aires. Foi quando Kirchner disse pela primeira vez, no palanque: "Já podem chamá-la de presidenta". O Brasil foi lembrado pelos principais presidenciáveis e seus assessores, em diferentes entrevistas, como um modelo a ser "admirado". O ex-presidente do Banco Central Alfonso Prat-Gay, que apóia a candidata Elisa Carrió, da Coalizão Cívica, afirmou num programa do canal 5 de televisão: "É preciso uma política econômica séria com crescimento econômico sustentável de longo prazo. Vejam como o Brasil vai bem. O Brasil tem estabilidade econômica, e nosso crescimento não é sustentável". Segundo Prat-Gay, a preocupação é que a Argentina esteja "seguindo os passos da Venezuela", com uma política de gasto público alto e inflação alta. Carrió, por sua vez, disse mais de uma vez que o Brasil é "um aliado estratégico" para a Argentina. O ex-ministro da Economia Roberto Lavagna, candidato pelo UNA, foi mais cauteloso ao dizer apenas: "O Brasil é um sócio importante para a Argentina". Mas fez questão de destacar que defende uma política econômica bem diferente da brasileira, com dólar alto. Para Carrió e Lavagna, porém, de acordo com seus assessores, o governo Kirchner esteve "muito próximo" de Chávez. Para eles, não teria sido necessário que o líder venezuelano realizasse, por exemplo, um comício em Buenos Aires durante visita do presidente americano George W. Bush à região, este ano. As críticas à aproximação com Chávez, feitas pelos principais candidatos da oposição, não foram acompanhadas pela candidata oficial. Nas poucas vezes que citou a Venezuela e o governo de Chávez, Cristina disse que Venezuela e Bolívia são importantes para a região. E quando questionada sobre Chávez, respondeu com uma referência ao líder russo: "Não se pode pensar uma Europa sem Putin". Para ela, os demais países da região - e Estados Unidos também - dependem da energia venezuelana e boliviana. Ao mesmo tempo, como observou o professor de relações econômicas internacionais da Universidade Di Tella, Julio Nogues, Cristina criticou, em algum momento da campanha, "o excesso de militarização" do governo Chávez. A declaração foi interpretada como uma crítica ao modelo venezuelano. E levou este e outros analistas da área internacional a interpretarem que, caso seja eleita, a candidata poderia optar por uma relação "mais pragmática" com Chávez do que a que foi mantida pelo seu marido. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.