Brasil estuda nomear embaixador para mudança climática

O Ministério das Relações Exteriores está considerando criar um cargo de embaixador para tratar exclusivamente dos temas de mudanças climáticas, a exemplo do cargo que já existe hoje para tratar de desarmamento mundial. O assunto foi tratado durante o encontro do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, com o ministro de Negócios Estrangeiros do Canadá, Peter MacKay. "Certamente é um tema de grande importância e eu estou mesmo considerando a criação do cargo de embaixador especial para mudança de clima. Nós temos que pensar, porque é um tema de grande importância. Há mitos, mas há também muitas verdades, e nós temos que levar em conta isso e agir da maneira adequada", disse Amorim. "Quando eu olhar todos os cargos comissionados e gratificações, vou ver se posso atrair um bom embaixador para essa função". Mas, apesar de considerar a criação de um cargo para tratar de meio ambiente e mudanças climáticas, Amorim reiterou a posição brasileira contrária a cláusulas de barreira considerando questões ambientais, como chegou a ser discutido nos debates da rodada Doha. "Não gostamos da cláusula não porque não queremos defender o meio ambiente, mas porque são meros disfarces para medidas protecionistas", disse o ministro. "As cláusulas, da maneira que estão, são até um desincentivo. Não punem quem não assina e oneram quem assina". O ministro ressaltou, no entanto, que essa ainda é uma discussão muito incipiente e que não precisa ser feita agora. "Precisamos primeiro discutir as cotas de carne, de grãos...", afirmou.

Agencia Estado,

05 de fevereiro de 2007 | 19h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.