Brasil lidera desmatamento mundial, aponta estudo

O Brasil foi o País que mais perdeu áreas de florestas entre 2000 e 2005, aponta estudo divulgado ontem pela PNAS, publicação oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2010 | 00h00

No período foram desmatados 165 mil quilômetros quadrados de floresta, o equivalente a 3,6% das perdas de florestas no mundo todo. O segundo país que mais perdeu florestas foi o Canadá, com o desmate de 160 mil km². A ação do homem e desastres naturais são as principais causas da perda de florestas.

No mundo todo, a cobertura vegetal diminuiu 3,1% entre 2000 e 2005. Foram 1,01 milhão de km² desmatados, o que sugere crescimento de 0,6% ao ano. O estudo se baseou em observações por satélite de pesquisadores das Universidades de Dakota do Sul e do Estado de Nova York.

MEMÓRIA

Na Indonésia, ativistas da ONG Greenpeace se vestem de morte para protestar contra os 24 anos do acidente nuclear de Chernobyl. O país anunciou recentemente que tem planos de investir em energia nuclear.

BOTÂNICA

Jardins de SP e Rio ganham nota A

A Comissão Nacional de Jardins Botânicos (CNJB) conferiu o enquadramento A ao Jardim Botânico de São Paulo e ao do Rio de Janeiro. Essa é a mais alta categoria de classificação - se eles fossem hotéis, seria como receber a qualificação de 5 estrelas - e os dois são os únicos entre os 30 jardins botânicos cadastrados no País a terem esse reconhecimento.

RECICLAGEM

Campanha coletará garrafas PET em SP

Quem não sabe o que fazer com as garrafas plásticas acaba de ganhar uma alternativa. A Fundação SOS Mata Atlântica e o designer Nido Campolongo iniciaram campanha de coleta de garrafas PET em diversos pontos da capital. Os locais para entrega estão listados no site www.sosma.org.br.

ENERGIA LIMPA

Alemanha inaugura turbinas em alto-mar

O parque eólico alemão Alpha Ventus (foto), localizado no Mar do Norte, começa hoje a produzir energia com todas as 12 turbinas. No total, serão gerados 60 megawatts de energia, o suficiente para suprir 50 mil residências. /ANDREA VIALLI, com REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.