Brasil: melhor época para viajar

Ricardo Freire, turista.profissional@grupoestado.com.br,

19 de janeiro de 2011 | 10h00

 

O verão começou ainda mais chuvoso que o habitual no Sudeste, com consequências dramáticas. Antes dele, a primavera já tinha trazido frio e tempo feio. O que está acontecendo? O clima realmente enlouqueceu? El Niño, La Niña e o fim da camada de ozônio se uniram para sabotar as suas férias de janeiro? Nada disso. Por estas bandas o normal é as primaveras serem frias e cinzentas e os verões, chuvosos. Só que todos os anos nos esquecemos disso, porque temos na cabeça uma noção romanceada das estações - que podem valer nos climas temperados, mas não correspondem à vida real dos trópicos.

 

Em outras partes do Brasil, no entanto, o que define as estações é realmente o clima, não o calendário. O nordestino sabe que o seu inverno começa em março ou abril. O paraense celebra a chegada do verão em junho; o cearense e o tocantinense, em julho. Se São Paulo ficasse na Ásia, isso que conhecemos por verão se chamaria monções. Você marcaria uma viagem para a praia durante as monções? Veja a seguir as melhores épocas para viajar pelas diversas regiões do Brasil com probabilidade de menos chuva.

 

Norte da Bahia ao Rio Grande do Norte. O verão da faixa leste do Nordeste corresponde totalmente ao que sonhamos para a estação: dias predominantemente ensolarados e bastante quentes. Eventualmente áreas de convergência tropical vindas da Amazônia podem nublar alguns dias (ou megafrentes frias do Sudeste podem chegar à Bahia), mas são eventualidades que justificam reclamações expressas a São Pedro. Basta abril chegar, porém, para "invernar". O grosso das chuvas vai até junho ou julho. O estio volta a predominar em agosto e entre outubro e dezembro o tempo fica firmíssimo, com chuvinhas rápidas e espaçadas. (Mas atenção: para o Sul da Bahia)

 

Veredicto: se você não quer passar o réveillon e as férias de janeiro na chuva, já sabe aonde ir.

 

Sul da Bahia. As regiões de Ilhéus e Porto Seguro têm chuvas bem distribuídas ao longo do ano. Isso significa que você provavelmente vai pegar sol e chuva em qualquer época. Acredite, é uma vantagem: os verões costumam ser menos chuvosos que os do Sudeste, e naqueles meses de "inverno" no Nordeste mais para cima, a região sempre é uma aposta melhor.

 

Veredicto: faça chuva ou faça sol, não deixe de ir até lá.

 

Ceará ao Maranhão. No litoral brasileiro voltado para o norte o verão começa mais cedo: julho já tem sol garantido todos os dias. Os meses mais secos são de setembro a dezembro, conhecidos no Ceará como "os meses bró". O segundo semestre é também a época mais ventosa, atraindo legiões de praticantes de kite e windsurfe. A partir de janeiro, o inverno pode chegar a qualquer momento (ou não chegar nunca, em anos de seca brava). A época mais chuvosa, segundo o caderninho, vai de março a maio.

 

Veredicto: prefira esta região para as férias de julho. Entre julho e agosto, pegue as lagoas cheias nos Lençóis Maranhenses.

 

Amazônia. A Região Norte tem duas estações: a chuvosa e a seca (que também poderia ser chamada... menos chuvosa). A época das chuvas começa em dezembro e vai até maio - e tem o seu encanto para os turistas, sim, porque é nas cheias que os igarapés e igapós são mais navegáveis. O verão começa em junho. As águas vão baixando e revelam as praias de rio lá por agosto.

 

Veredicto: lembre-se de ir a Alter do Chão entre setembro e outubro.

 

Interior do Sudeste e Centro-Oeste. O verão é chuvoso, mas tanto o outono quanto o inverno têm tempo firmíssimo, dificilmente abalado pela chuva ocasional trazida pelas frentes frias que trafegam pela faixa litorânea. De abril ao fim de setembro, você não vai precisar do guarda-chuva para visitar as cidades históricas de Minas, as termas do Rio Quente, as Chapadas dos Veadeiros, dos Guimarães (e a Diamantina também, que está quase no Cerrado), o Jalapão, Pantanal e Bonito (mas aqui as águas dos rios cristalinos estarão bastante frias).

Veredicto: no meio do ano, o sol sempre brilha no meião do Brasil.

 

Litoral do Sudeste. A virada do ano e janeiro costumam ser bastante chuvosos. Quem aposta em fevereiro na praia normalmente se dá um pouco melhor. A elevada umidade da época - a mesma que provoca as enxurradas do fim de tarde - pode fazer frentes frias estacionarem na região. O Espírito Santo registra os verões mais secos e ensolarados do Sudeste (mas neste ano, como se viu, também começou debaixo d’água). O clima mais gostoso para viajar só começa quando as férias escolares acabam: o outono oferece dias secos e quentes e noites agradáveis. Essas condições costumam continuar inverno adentro, prejudicadas apenas por uma ou outra frente fria (que no meio do ano passam mais rapidamente do que no início). É por isso que todos os anos as tevês mostram reportagens de praias lotadas no Rio no meio do ano (agosto é o mês mais seco do por lá). Na primavera as frentes frias são mais frequentes e não é raro termos a sensação de passar mais frio - ou pelo menos um frio mais prolongado - do que no inverno.

 

Veredicto: recupere-se das chuvas de verão descendo à praia nos fins de semana ensolarados do outono.

 

Sul. Não difere muito do tempo no Sudeste: verões úmidos com pancadas de chuva no fim da tarde e frentes frias preguiçosas; outonos secos, primaveras chuvosas. O inverno é mais seco em Santa Catarina do que no Rio Grande, que segue sofrendo com a umidade. As temperaturas são sensivelmente mais baixas do que no Sudeste, então praia no inverno (e no início da primavera) é só para olhar, mesmo.

 

Veredicto: o outono em Santa Catarina é perfeito: quem resolve pegar praia por lá entre o Carnaval e a Páscoa dificilmente vai perder a viagem (e de quebra não enfrenta os problemas do trânsito no verão).

 

 

Internet para viagem

 

O site da Somar Meteorologia é o único que traz, ao pé da página da previsão do tempo de cada destino, um quadro fundamental: o gráfico do comportamento da temperatura e da chuva ao longo do ano daquele lugar. Consulte sempre que precisar programar uma viagem que não seja resistente à chuva

 

 

Dossiê

Destinos para investir em cada estação

 

 

 

Verão

De 4 de dezembro - dia da primeira festa de largo, dedicada a Santa Bárbara - até Quarta-feira de Cinzas não existe cidade mais a mil do que Salvador. Ela ganha até do Rio: a chuva é pouca (e bem-vinda).

  

Outono

Santa Catarina é o canal: sem paulistas, sem gaúchos, sem paranaenses, sem argentinos, sem paraguaios, sem trânsito - e que é melhor: sem dias nublados ou chuvosos. Perfeito para explorar as belezas tanto do litoral quanto do interior.

 

Inverno

É a época perfeita para ir às Chapadas, que estão verdes e com cachoeiras abundantes depois da temporada das chuvas. As temperaturas diurnas são ótimas para caminhadas e as noites são para passar com edredom (ou cobertor de orelha).

 

Primavera

Curta o litoral do Nordeste antes de todo mundo. De outubro a dezembro o tempo é ainda mais firme que em janeiro e os preços ainda são de baixa temporada. Por sinal, é o mês em que o mar de Noronha está mais perfeito.

 

 

 

Murilo Quirana

Mu é o maior mão fechada da família Quirana; não abre a mão nem para dar tchauzinho

 

"Caros, eu não deixo de ir ao Nordeste na época da chuva, não. Isso porque o normal é todo dia sair um solzinho. O negócio é aproveitar as tarifas baixas para reservar uma pousada à beira-mar. Assim, você estará perto da praia quando o sol resolver dar o ar da graça. E quando a chuva voltar, eu volto para o livro que estava lendo. Perfeito!"

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.