Efe
Efe

Brasil pode ser oportunidade para crescimento da Europa, diz Dilma

Em visita à Espanha, presidente reafirmou ser 'fundamental' crescimento dos países do bloco para superar turbulências

Fernando Nakagawa,

19 de novembro de 2012 | 10h37

atualizada às 11:42

 

Em entrevista coletiva realizada na manhã desta segunda-feira, 19, no Palácio da Moncloa, em Madri, a presidente Dilma Rousseff defendeu mais uma vez que o melhor caminho para sair da crise é a austeridade somada ao incentivo para o crescimento econômico. Já o premiê da Espanha, Mariano Rajoy, reafirmou seu compromisso com o controle do déficit público.

A despeito de eventuais diferenças, a presidente brasileira se colocou à disposição do colega espanhol. "O Brasil se põe à disposição da Espanha, de Portugal e de todos os países europeus", disse Dilma na entrevista concedida após uma reunião fechada com Rajoy.

"O Brasil pode e deve contribuir para uma solução da crise, que passa necessariamente pelo crescimento. Eu considero que a combinação de austeridade e crescimento é a melhor forma de superar os desafios de uma crise", disse Dilma, ao lado do premiê espanhol. "Até porque nós, no Brasil, temos uma experiência de que o baixo crescimento, ao invés de reduzir, o que faz é aumentar a dívida e o déficit", completou.

Ao argumentar que seu governo direciona esforços para o crescimento sem esquecer da responsabilidade econômica, Dilma rebateu indiretamente as críticas de que seu governo ignora aspectos como o controle do gasto e da inflação. "Consideramos que o equilíbrio fiscal e a distribuição de renda são compatíveis e não são antagônicos", disse. "Nós tivemos durante duas décadas apenas a perspectiva do ajuste fiscal e só conseguimos sair da crise quando fizemos controle de gasto e de inflação com a distribuição de renda, com crescimento", resumiu a presidente.

Rajoy, por sua vez, manteve o discurso pró-austeridade. "Estamos fazendo uma política que controla o déficit público e cria bases para o crescimento. Tenho total e absoluta convicção de que o pior já passou. Em 2014, a Espanha vai ter crescimento econômico positivo", disse. "Não há uma varinha mágica. É necessário controlar o déficit, resolver o problema do financiamento. Não se pode viver gastando o que não entrou", declarou.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMAECONOMIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.