Brasil vai conviver com duas ortografias até 2012

O Diário Oficial da União e o do Estado de São Paulo optaram por manter as duas formas nos conteúdos oficiais

AE, Agência Estado

06 Janeiro 2009 | 08h36

Em vigor de forma facultativa desde o dia 1º, as novas regras ortográficas ainda não serão adotadas pela maioria das instituições no País. O período de transição termina em dezembro de 2012. Por enquanto, órgãos como o Museu da Língua Portuguesa, secretarias estaduais e até o governo federal decidiram manter textos e documentos de acordo com as normas antigas. O Grupo Estado já segue as novas normas.       Veja também: Autores africanos consideram acordo ortográfico benéfico Acordo ortográfico divide opiniões de especialistas Veja as principais normas do acordo  Teste seus conhecimentos sobre o acordo  O Diário Oficial da União e o do Estado de São Paulo optaram por manter as duas formas nos conteúdos oficiais - editais, portarias, resoluções. O texto será publicado de acordo com a grafia que cada órgão resolveu adotar. No caso de São Paulo, as páginas de notícias produzidas pela redação da Imprensa Oficial adotaram o novo padrão. Para o presidente da Comissão de Língua Portuguesa do Ministério da Educação e do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, Godofredo de Oliveira Neto, as empresas e o governo deveriam adotar a nova ortografia desde o dia 1º. "A reforma já está valendo", afirma Oliveira Neto. "É compreensível que as editoras demorem um pouco mais." Mas ele também recorda que não há punições previstas para quem desobedece às regras no País.Até fevereiro, a Academia Brasileira de Letras deve publicar o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, que trará a forma oficial das palavras alteradas. A partir daí, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), por exemplo, adotará integralmente as regras. "Vamos começar a implantar o que já está bastante claro no acordo. Em relação ao uso do hífen, vamos aguardar a publicação do vocabulário", diz a professora de português e revisora do STJ, Mari Lúcia Del Fiaco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
educaçãoreforma ortográfica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.