Brasileiro é condenado em Portugal por matar bebê a socos

Robi Gomes Galvão teria ficado irritado com o choro da criança, de dois anos.

Jair Rattner, BBC

28 de maio de 2008 | 08h30

O brasileiro Robi Gomes Galvão, de 22 anos, foi condenado na terça-feira, em Portugal, a quase 15 anos de prisão por ter matado a socos uma menina de dois anos. A criança, filha da namorada de seu irmão, morreu depois que Galvão deu três socos em sua barriga, irritado com o choro da menina. O brasileiro confessou o crime na primeira sessão do julgamento, realizada em 12 de junho de 2007, quando declarou-se culpado. No entanto, a pena decidida pelo tribunal de Albufeira, no sul de Portugal, foi anunciada apenas nessa semana. Segundo o tribunal, ficou comprovado que Galvão assassinou a menina Angelina Podiesnyy, de nacionalidade ucraniana, no dia 13 de setembro de 2006, em Galé, onde moravam Robi, o irmão, a namorada dele e a menina.Ainda de acordo com a versão divulgada pelo tribunal, o brasileiro estava jogando videogame e cuidando de Angelina quando a menina começou a chorar. Ele então levantou e deu os socos na barriga da criança. Como resultado, Angelina vomitou. Ele deu um banho na menina, trocou a roupa dela e a colocou deitada num sofá, semi-inconsciente, e voltou ao jogo.Horas depois, a criança foi levada ao Hospital de Faro, a 30 quilômetros da cidade. A autópsia revelou lesões traumáticas múltiplas que resultaram num infarto. Os órgãos do abdômen de Angelina teriam sido comprimidos até a coluna vertebral. O juiz que determinou a sentença, de 14 anos e seis meses, considerou o ato como uma "uma violência extrema e inexplicável".No entanto, não há garantias de que o brasileiro irá cumprir a pena. Caso tenha bom comportamento na prisão, Robi poderá ser liberado na metade da sentença, aos final de 7 anos e três meses.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.