Brasileiro ignora causas da tuberculose, indica pesquisa

O Brasil pertence ao grupo de 22 países que concentram 80% dos casos de tuberculose no mundo. No País, 72 mil pessoas são acometidas por ano e 4,7 mil morrem por causa da doença. Ainda assim, a maioria dos brasileiros desconhece que a tuberculose é transmitida por contato com as gotículas de saliva de pessoas contaminadas, revelou pesquisa encomendada pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

AE, Agência Estado

20 de dezembro de 2010 | 10h02

O Instituto Datafolha entrevistou 2.242 pessoas com 16 anos ou mais, de todas as classes sociais, em 143 municípios. Embora 94% tenham afirmado conhecer a tuberculose, somente 1% acertou, em resposta espontânea, a forma de transmissão. Por outro lado, quase 60% acreditam erroneamente que a doença possa ser causada ou agravada pelo fumo, 39% por clima frio ou úmido, 33% por poluição e 18% disseram que é hereditária.

O desconhecimento dos sintomas também é preocupante. Embora 55% tenham citado a tosse contínua, principal manifestação da doença, só 23% mencionaram febre, 20% dor no peito ou nas costas e 25% não souberam citar nenhum sintoma.

Para Roberto Stirbulov, presidente da SBPT, é justamente a falta de informação o principal obstáculo para o controle da doença. "Esses resultados foram um alerta de que precisamos fazer ações educativas."

O pneumologista Alexandre Milagres, que coordena um serviço de referência no Rio, conta que nos grandes centros urbanos mais de 30% dos casos só são diagnosticados nos setores de emergência, quando os pacientes já estão com um quadro grave. Estima-se que uma pessoa contaminada transmita a doença para 10 a 15 pessoas por ano se não tiver tratamento. "A melhor forma de prevenção é o diagnóstico precoce. É quebrar a cadeia de transmissão", diz Dráurio Barreira, coordenador do Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Ministério da Saúde. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdetuberculosepesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.