Brasileiro ''morreu como herói no Líbano'', diz cônsul

Segundo diplomata, soldado levava colega nos ombros quando foi alvejado.

Tariq Saleh, BBC

19 Julho 2007 | 09h32

O brasileiro Ali Ahmad Smidi, 26 anos, tenente do Exército libanês que morreu na segunda-feira em um confronto no campo de refugiados de Nahr el-Bared, no Líbano, é visto como herói por colegas e familiares. Segundo o Cônsul-Geral do Brasil em Beirute, Michael Gepp, Smidi carregava um colega ferido nos ombros no momento em que foi atingido por um franco-atirador. "A bala entrou pela axila, perfurou pulmão e coração e saiu pela outra axila", disse Gepp. O cônsul e um funcionário do Consulado-Geral foram na manhã desta quinta-feira até Soultan Yacoub, no Vale do Bekaa, onde residia o brasileiro, para transmitir as condolências do governo brasileiro aos familiares. "Uma multidão se reuniu na cidade para homenagear o rapaz. Vieram muitas pessoas de cidades vizinhas e ele foi tratado como herói por ter arriscado a vida para salvar um colega". A morte do brasileiro foi comunicada na manhã de ontem pelo Ministério das Relações Exteriores. Em nota, o Itamaraty afirmou que "o governo brasileiro recebeu, com profundo pesar, a notícia do falecimento, no último dia 16 de julho, do cidadão brasileiro Ali Ahmad Smidi". De acordo com Gepp, o Consulado brasileiro ofereceu total apoio à família e se colocou à disposição no que precisarem. "Fomos recebidos pelo pai, a mãe e a irmã dele. Eles estavam muito abalados, mas orgulhosos com a coragem dele em tentar salvar a vida de um colega", falou ele. Smidi nasceu em Santos e tinha dois irmãos, um dos quais vive em São Paulo, e uma irmã. Ele foi enterrado no última dia 17 de julho na própria cidade de Soultan Yacoub. O conflito que matou Smidi já dura quase dois meses e já matou mais de 90 soldados. O Fatah al-Islam, que tem afinidade ideológica com a rede Al-Qaeda, perdeu 60 militantes. Outros 40 civis também morreram no conflito nos confrontos entre os militantes e as foças de segurança libanesas. O episódio de Nahr El-Bared já é considerado o pior conflito interno do Líbano desde o fim da guerra civil no país, há 17 anos. O campo palestino de Nahr el-Bared já abrigou aproximadamente 30 mil pessoas, mas atualmente praticamente todos os moradores do campo já fugiram do local. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.