Braskem estuda construção de planta desidrogenadora nos EUA

O diretor financeiro da petroquímica Braskem, Alexandre Perazzo, afirmou nesta terça-feira que a companhia está avaliando a construção de uma planta desidrogenadora de propano nos Estados Unidos.

REUTERS

22 Maio 2012 | 15h38

O objetivo, segundo o executivo, é aproveitar o baixo preço do gás no mercado norte-americano.

"Nós não produzimos gás de xisto nos EUA, mas estamos estudando uma desidrogenadora de propano. A construção é para a gente apropriar o benefício do gás barato lá", disse o executivo a jornalistas.

Segundo o executivo, a planta retira hidrogênio do propano para produzir propeno.

Perazzo afirmou ainda que uma outra opção para a Braskem no mercado norte-americano poderia ser fazer um contrato de "offtake" com uma outra empresa, que seria a responsável pela construção da planta.

"Estamos em conversas com diversos grupos norte-americanos, mas, se fomos partir para a construção de um novo cracker, seria ou com parceiros ou sozinhos. Se formos offtaker, a outra empresa constroi e a gente fica como principal cliente desse novo parque", disse Perazzo.

O executivo não revelou prazos ou volumes de investimentos que podem ser empregados na nova unidade, mas destacou que estimativas preliminares apontam que a planta levaria um prazo de dois anos e meio a três anos para ficar pronta.

Ele afirmou que a Braskem é uma das maiores consumidoras de propeno dos EUA e a maior produtora de polipropileno no mercado norte-americano. Atualmente, a principal matéria-prima utilizada nas cinco plantas da Braskem nos EUA é a nafta.

"Com a baixa do preço do gás nos EUA, temos a oportunidade de ter uma matriz de matéria-prima com base gás, que é bem mais barato lá. A queda do gás foi abrupta nos últimos tempos, o que tornou esta matéria-prima barata e abriu oportunidade para a companhia construir a desidrogenadora", disse Perazzo.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Mais conteúdo sobre:
PETROQUIMICA BRASKEM GAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.