Briga entre ricos e pobres trava acordo em conferência do clima

Impasse em torno de três objetivos, entre eles a extensão do Protocolo de Kyoto, adia definição de documento final

GIOVANA GIRARDI, ENVIADA ESPECIAL / DOHA, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2012 | 02h06

Sem quase nada acordado, a Conferência do Clima da ONU, que ocorre em Doha (Catar), não pôde ser finalizada até a noite de ontem e se estendia pela madrugada deste sábado.

Os três principais objetivos - extensão do Protocolo de Kyoto para um segundo período de compromisso, conclusão do LCA (grupo de trabalho sobre cooperação de longo prazo) e definição de um guia sobre o que deve ser o novo tratado climático, a ser fechado em 2015 - tinham opções em aberto para a decisão ministerial.

Como definiu um membro da delegação brasileira, pela primeira vez na história das COPs, toda a pressão da decisão estava sobre os países desenvolvidos, que punham entraves para colocar dinheiro na mesa, para trazer metas mais ambiciosas de redução das emissões e até sobre os princípios básicos que devem nortear o novo regime climático.

As finanças permanecem como grande problema. Países em desenvolvimento pedem um compromisso de doação de US$ 60 bilhões até 2015, mas desenvolvidos dizem que não podem oferecer nada neste momento.

Na plenária da chamada Plataforma de Durban, que trata do novo regime, a controvérsia estava em torno da menção ou não ao documento proveniente da Rio+20, que fala sobre equidade e traz o princípio da Responsabilidade Comum, Porém Diferenciada (CBDR, na sigla em inglês).

Delegados dos EUA, Noruega e México, que pediram sua exclusão, justificaram que o documento é muito amplo e poderia gerar confusão de interpretação. Em Kyoto permanecia a dificuldade sobre o que fazer com o chamado hot air, uma espécie de poupança de emissões reduzidas que países como Rússia e Polônia têm porque diminuíram mais do que precisavam e querem agora carregá-la para as novas metas.

A proposta que foi colocada é de um limite de 2,5% para o uso disso para desconto das metas desses países no segundo período de Kyoto. Havia também uma expectativa de que alguns países fariam anúncios durante a plenária final de que não vão aceitar comprar esse tipo de "crédito", visto que ele não representa uma real redução de emissões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.