Joa Souza/A Tarde
Joa Souza/A Tarde

Briga levou ex-jogador a matar mulher em São Paulo, diz polícia

Evangelista foi preso na 4ª na casa da mãe dele, numa cidade do interior baiano; ele deve ser transferido para SP

Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2009 | 14h52

O ex-jogador de futebol Janken Ferraz Evangelista, de 29 anos, foi apresentado, na manhã desta quinta-feira, 26, pela Polícia Civil baiana, na sede do órgão, em Salvador. Acusado de matar a ex-mulher, Ana Cláudia Melo, de 18 anos, no domingo, em São Paulo, e sequestrar o filho do casal, de 1 ano e 8 meses, ele disse à polícia que uma briga teria motivado o assassinato.

 

Veja também:

linkPreso ex-jogador acusado de matar a mulher em São Paulo

 

Evangelista foi preso na quarta-feira por agentes da 8ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), de Teixeira de Freitas (BA), 884 quilômetros ao sul da capital baiana. Depois de passar a noite viajando até Salvador, acompanhado por dois delegados, ele chegou ao prédio da Polícia Civil pouco antes das 9 horas. Em seguida, foi apresentado pelo delegado-chefe, Joselito Bispo, pelo chefe do Departamento de Polícia do Interior (Depin), Bernardino Freitas Filho, e pelo coordenador da 8.ª Coorpin, Nélis Araújo Junior. Não quis, porém, comentar o crime. "Meu advogado vai falar por mim, depois que eu chegar a São Paulo", disse.

 

De acordo com Freitas Filho, porém, o acusado teria dito que brigou com a ex-mulher depois de ela receber uma mensagem, pelo telefone celular, de outro jogador, que não teve o nome revelado. Eles estariam na cozinha do apartamento, no momento. Evangelista também teria contado que fugiu de São Paulo de táxi. "Apreendemos o telefone, como prova da motivação", falou Araújo Junior. De acordo com ele, a prisão do acusado foi realizada no distrito de Posto da Mata, município de Nova Viçosa.

 

Do sede da Polícia Civil, o ex-jogador foi encaminhado para o Instituto Médico Legal, onde passou por exame de corpo de delito. Ele apresentava ferimentos no rosto e em uma das mãos, que alegou terem sido causados pela briga com Ana Cláudia. Depois, escoltado por um delegado e dois agentes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Evangelista embarcou, à tarde, num voo para a capital paulista. Ele deve prestar depoimento assim que chegar em São Paulo, antes de ser transferido para um Centro de Detenção Provisória.

 

De acordo com Araújo Junior, o filho de Evangelista e Ana Cláudia passou a noite na sede do Conselho Tutelar de Teixeira de Freitas, onde deve permanecer até que a Justiça decida com qual família a criança deve ficar. A avó paterna foi chamada, durante a noite, para ficar com a criança, que, segundo a conselheira Ana Cristina Prates, chorou por muito tempo. O delegado descartou a possibilidade de indiciar a mãe do ex-jogador, com quem o menino foi encontrado. "Não podemos acusar uma mãe por dar guarida ao filho", justifica.

 

Atualizado às 18h35 para acréscimo de informações.

Mais conteúdo sobre:
violênciacrime em família

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.