Britânica condenada por 'insulto' a Maomé é perdoada e solta

Ela teria permitido que alunos no Sudão batizassem ursinho com nome de profeta.

BBC Brasil, BBC

03 de dezembro de 2007 | 10h20

Uma professora primária britânica que trabalhava no Sudão foi perdoada pelas autoridades locais nesta segunda-feira, depois de condenada por blasfêmia por ter permitido aos seus alunos dar o nome de Mohammed (Maomé) a um ursinho de pelúcia.Gillian Gibbons ficou presa apenas oito dias dos 15 aos quais havia sido condenada.Funcionários da embaixada britânica no Sudão foram ao encontro de Gibbons, que deverá deixar o país ainda nesta segunda-feira.Sua libertação foi obtida por dois parlamentares britânicos muçulmanos que foram ao país interceder pela conterrânea. Eles se reuniram com o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, em um encontro considerado fundamental para a libertação de Gibbons.O presidente Bashir vinha sofrendo forte pressão de alguns radicais no Sudão que consideraram a pena de Gibbons muito leve.O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse que o bom senso prevaleceu.Robert Boulos, diretor da escola, havia afirmado que tudo não passou de um "erro inocente"."Este foi um erro completamente inocente. A sra. Gibbons nunca quis insultar o Islã", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.