Britânica tenta ser 1ª mulher a percorrer sozinha os dois pólos

Dispostos organizadamente no chão de um escritório vazio de Londres, em duas fileiras que apontam para o Pólo Norte, pacotes de suprimento energético em quantidade suficiente para sustentar uma pessoa durante 60 dias esperam por Rosie Stancer. Cada um contém algo entre 5.000 e 6.000 calorias em várias formas, entre as quais um doce de chocolate ao leite vindo das terras do príncipe Charles, em Highgrove. Esse arsenal energético deve ser suficiente para sustentar a britânica de 47 anos de idade, e estatura diminuta, em sua jornada através do gelo, da terra e da água para se tornar a primeira mulher a percorrer sozinha os dois pólos do planeta. O espírito de aventura corre nas veias da família de Stancer. O avô da britânica, o conde Granville, deveria ter participado da malsucedida expedição do capitão Scott à Antártida entre 1910 e 1912. Mas, pouco antes de o grupo partir, ele recebeu um telegrama afirmando que seria alto demais para caber nas barracas, e que exigiria uma quantidade grande demais de ração. O avô do marido dela participou da expedição de Ernest Shackleton pela Antártida, entre 1914 e 1917. O desafio a ser enfrentado por Stancer, em termos físicos, é quase inimaginável. Ao contrário da Antártida, uma massa de terra congelada, o Ártico é um mar congelado. Onde o gelo se quebra, apesar das temperaturas de 40º C negativos, Stancer pretende nadar, usando uma roupa amarela de proteção que parece pouco adequada à tarefa. À noite, ela deve derreter neve e gelo para adicionar a seus alimentos desidratados. Há, ainda, a ameaça dos ursos polares, surpreendidos pela inesperada invasora de seu deserto hábitat. Jornadas incríveis A incrível jornada de Stancer começou em 1997, quando ela participou da primeira equipe formada unicamente por mulheres a percorrer o Pólo Sul. Em 2003-2004, ela caminhou sozinha os 1.296 quilômetros até o Pólo Sul, em apenas 44 dias. Para a aventura de agora, Stancer treina há 18 meses, e grande parte dessa preparação consiste em arrastar pneus, imitando a situação que deve enfrentar ao puxar os trenós através do gelo e da neve. "Não se trata mais de uma exploração geográfica, porque sabemos o que existe a 90 graus norte", afirmou, pouco antes de voar até o Canadá, onde realizará uma última etapa de treinamento para então, no começo de março, dar início à expedição. "Trata-se antes de explorar a si mesma, algo que fazemos ao cruzar as linhas fronteiriças fixadas normalmente por nós mesmos, linhas essas que pretendo deixar muito, muito para trás." "Nessa situação, fica-se muito perto da natureza, ou de Deus. As camadas de sujeira e materialismo que acumulamos ao redor de nós mesmos em nosso dia-a-dia caem pouco a pouco", disse. Psicologicamente, as demandas podem ser maiores do que o estresse físico. Segundo Stancer, o explorador atirado nessas situações já acorda exausto, para encontrar sua barraca cheia de gelo. E, devido às correntes que mudam o tempo todo, pode-se estar mais distante do destino almejado do que 24 horas antes. "A motivação necessária para sair do saco de dormir e encarar o frio dentro da barraca, eu não posso imaginar. Eu simplesmente ligo o piloto automático e continuo em frente." E as compensações? Elas surgem todas as noites quando ela se prepara para misturar um pacote de comida com o gelo derretido.

Agencia Estado,

19 de fevereiro de 2007 | 13h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.