Britânico mata ex-mulher e filho a machadadas usando máscara de terror

Michael Kelly foi condenado à prisão perpétua por crime cometido no ano passado após separação conjugal.

BBC Brasil, BBC

12 de abril de 2011 | 05h39

A Justiça da Grã-Bretanha condenou à prisão perpétua um homem que matou sua ex-mulher e o filho dela a machadadas, em uma sessão na qual ele usou uma máscara de terror.

Michael Kelly, 46, terá de passar pelo menos 30 anos preso pelo crime, cometido no dia 13 de dezembro do ano passado na casa onde eles haviam vivido em Banbury, perto de Oxford.

A polícia disse que o ataque foi motivado porque o homem não conseguiu lidar com a separação, um mês antes.

Segundo a polícia da região de Thames Valley, Michael e sua ex-mulher, Sally Cox, 43, haviam passado a morar juntos em fevereiro do ano passado.

Em novembro, eles se separaram e, nas palavras do detetive Peter Vigurs, que liderou a investigação, Michel Kelly "não conseguiu lidar com a separação".

"Esses assassinatos brutais foram cometidos por Kelly com um machado, enquanto ele usava uma terrível máscara de terror", disse o inspetor.

No episódio morreram Sally Cox e seu filho, Martin Faulkner, 22.

A filha de Sally, Amy, que tinha 19 anos à época, só sobreviveu porque o irmão se colocou entre ela e o assassino.

A jovem pulou da janela de um quarto no primeiro andar da casa, escapando com ferimentos.

Uma outra garota, que não pode ser identificada por razões legais, conseguiu escapar da casa com vida.

A polícia crê que, de outra forma, Michael as teria matado também.

Justiça

Kelly fugiu da cena do crime e foi preso poucas horas após a polícia encontrar os corpos.

Uma imagem obtida através de câmera de circuito interno mostra o momento em que ele compra, em uma loja, o machado usado no crime.

Durante o processo, ele admitiu as duas acusações de assassinato e outras duas de agressão física com intenção de causar dano.

Após a sentença, a família das vítimas emitiu um comunicado elogiando a decisão da Justiça, mas ressaltando que a punição não compensa a "perda significativa e triste" causada por Michael.

"Hoje, Justiça foi feita para Sally e Martin, embora nenhuma sentença seja longa o suficiente para compensar a dor e o sofrimento a que ele submeteu a família, sem falar no sofrimento que Sally e Martin tiveram de suportar", disse o comunicado.

Oferecendo seu apoio à família, o detetive Vigurs disse esperar que a condenação "possa, ajudá-los um pouquinho a começar uma próxima etapa em sua vida".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.