Britânicos criam teste para detectar arsênico na água

Um grupo de universitários britânicosdesenvolveu um teste que permite determinar a potabilidade da água,ao detectar a presença de arsênico, informam os própriosinventores.Este sistema, que pode ser utilizado diretamente pelos consumidores,poderia ajudar milhões de pessoas que sofrem com poçoscontaminados com essa substância tóxica. O teste, desenvolvido pelos estudantes da Universidade deEdimburgo (Escócia), utiliza uma variante modificada da bactériaE. coli para poder detectar a contaminação na água sem a necessidadede análise em laboratórios, já que a presença de arsênico é indicadacom um simples código de cores, vermelho e azul. Essa variante da E. coli tem um gene dedicado à decomposição dalactose que está vinculado a outro, capaz de detectar o arsênico, oque faz com que, quando a bactéria entra em contato com o metal,desprenda um ácido. Isso mudao pH da água, e permite o uso do sistema de cores.Alistair Elfick, um dos diretores do projeto, explicou que, emuma mesma zona, "nem todos os poços estão contaminados", enquanto ograu de contaminação de cada fonte pode variar ao longo do tempo. "Em vez de um analista precisar ir aos povoados para comprovar osníveis de arsênico, os próprios habitantes podem utilizar estesimples sistema com cores e repetir o teste em intervalos regulares,para controlar as mudanças na contaminação", disse.

Agencia Estado,

20 de novembro de 2006 | 14h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.