Britânicos devem ficar no Afeganistão 'por décadas'

Secretário de Defesa britânico diz que país não pode virar 'refúgio para terroristas'.

BBC Brasil, BBC

13 de janeiro de 2008 | 16h00

As tropas britânicas podem permanecer no Afeganistão ainda por décadas, de acordo com declarações do secretário de Defesa do país, Des Browne, publicadas neste domingo."Não podemos arriscar que ele (o Afeganistão) se torne um local de treinamento, sem governo, para terroristas que ameacem a Grã-Bretanha", disse ele em entrevista publicada no jornal britânico The People. Browne disse que os esforços para tornar o Afeganistão seguro podem levar décadas, mas indicou que o compromisso militar pode ser encerrado em um prazo menor. "Existe um limite para o que as nossas tropas podem atingir. A tarefa só pode ser completa totalmente se a comunidade internacional trabalhar ao lado do governo e dos militares afegãos."CustoEmbora militares britânicos já tivessem declarado que a presença das tropas do país no Afeganistão poderia durar ainda décadas, esta foi a primeira vez que um político da Grã-Bretanha admitiu tal coisa.Visitando a capital afegã, Cabul, no mês passado, o premiê britânico, Gordon Brown, prometeu apoiar a missão militar no país "por mais alguns anos".A Grã-Bretanha tem 7.800 soldados no Afeganistão e se espera que este número aumente a medida em que tropas britânicas vão deixando o Iraque.A maior parte dos soldados combate o Talebã na violenta província de Helmand, no sul do país. Segundo dados publicados no jornal, 86 soldados britânicos já morreram desde o início do conflito há seis anos, 40 desde janeiro de 2007.Ainda de acordo com o The People, o custo da missão militar britânica no Afeganistão dobrou no ano passado, de 221 milhões de libras (cerca de R$ 756 milhões) para 540 milhões de libras (cerca de R$ 1.800 milhões).BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.