Britânicos evitam sotaque regional para progredir, diz estudo

Entrevistados dizem que é mais difícil ser compreendido ao falar com jeito regional.

Da BBC Brasil, BBC

22 Janeiro 2009 | 13h27

Boa parte dos trabalhadores britânicos muda seu sotaque para impressionar os chefes e melhorar suas perspectivas profissionais, segundo um novo estudo.Entre mil pessoas entrevistadas pela companhia britânica de pesquisas ICM Research, 38% dos que falavam com sotaque regional disseram que tiveram dificuldades de se fazer entender.O inglês falado pela rainha foi considerado pelos entrevistados como o mais fácil de entender e o mais profissional.Os sotaques considerados mais difíceis foram os das cidades de Liverpool e Manchester, e também da região inglesa conhecida como Midlands."Todo mundo tem um sotaque e, na Grã-Bretanha, os sotaques mudam perceptivelmente a cada 40 quilômetros", disse o professor de linguística David Crystal, da Universidade de Bangor, no País de Gales."A pesquisa mostra que agora as pessoas aprenderam a usar sotaques diferentes e alterar sua fala, dependendo das situações em que se encontram, de maneira mais vantajosa", acrescentou.PreferênciaDepois do inglês da rainha, os sotaques dos condados ingleses que cercam a cidade de Londres ficaram em segundo lugar na preferência dos entrevistados, seguidos pelos sotaques irlandês e escocês.Entre 13 regiões incluídas na pesquisa, o sotaque londrino ficou em décimo lugar na preferência dos entrevistados.Pessoas nascidas em Liverpool se mostraram mais inclinadas a mudar seu sotaque, seguidas de perto pelas nascidas na região de Midlands - o que inclui, por exemplo, os nascidos na cidade de Birmingham.Um dado interessante revelado pela pesquisa é que nenhum irlandês admitiu ter mudado seu jeito de falar, seja por razões profissionais ou pessoais.O estudo sobre sotaques foi encomendado pela empresa de equipamentos para automóveis Bury Technologies.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.