Britânicos testarão injeção de células-tronco em cardíacos

Médicos britânicos injetarãocélulas-tronco do próprio paciente, em pessoas que têm problemas docoração, no prazo máximo de cinco horas após um ataquecardíaco, como parte de um novo tratamento médico. Acredita-se que células-tronco, extraídas da medula óssea doquadril, podem ser utilizadas para reparar os danos sofridos pelomúsculo cardíaco, e evitar novos ataques, que tendem a ser ainda mais perigosos do que o primeiro. O experimento, que foi noticiado nesta quarta-feira em vários meios decomunicação britânicos, será realizado em dois hospitais londrinos:o University College London Hospital e o Barts and the London. Os especialistas baseiam suas esperanças em experimentos comanimais e estudos clínicos realizados na Europa, e tentam agoramostrar que o tratamento funciona. As células-tronco extraídas da medula óssea têm a capacidade dese desenvolver e se transformar em outros tipos de célula e, nestecaso, os especialistas esperam que elas se convertam em variedadescapazes de recuperar o músculo cardíaco. Cem pacientes participarão do experimento, no qual os médicoscombinarão a angioplastia primária com uma injeção de células-tronco,em uma tentativa de lutar simultaneamente contra os dois problemas:a curto e a longo prazo. Após a angioplastia, serão injetadas na artéria, já desobstruída, as células de sua medula óssea. "Uma vez que as células são extraídas dos próprios pacientes, aoperação quase não apresenta problemas do ponto de vista ético. Alémdisso, a possibilidade de complicações por rejeição é muitomenor", afirma um dos especialistas envolvidos, o médico AnthonyMathur.

Agencia Estado,

08 de novembro de 2006 | 17h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.