Busca de dados sobre doenças na web preocupa médicos

Médicos temem efeito da internet e avaliam que oferta de informações põe autoridade em risco

Fabiana Cimieri, O Estado de S. Paulo

05 de março de 2009 | 08h04

O uso da internet por pacientes em busca de informações sobre saúde e bem-estar tem preocupado médicos e pesquisadores, mesmo que o hábito não seja necessariamente negativo. Isso porque esses internautas se dividem em três grupos: os que buscam dados para depois se automedicar, os que procuram informação para dialogar com mais conhecimento de causa com seus médicos e os que montam listas de discussão. Alguns profissionais, porém, avaliam que a tendência leva à perda de autoridade médica e a uma desprofissionalização da medicina. Veja também:  Opine: o que você acha da interferência da internet na medicina?  Estudo de revisão bibliográfica sobre o fenômeno, da pesquisadora Helena Garbin, doutoranda da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), analisou 15 trabalhos que envolveram 33 autores de 18 universidades. Todos os artigos analisavam quais as consequências que a onda do "paciente expert" pode ter sobre a profissão médica.  Alguns autores entendem que a aquisição de informações sobre saúde pelo paciente, via internet, abala o status e a autoridade do médico. Outros argumentam que a disseminação pela web de pesquisas e novos tratamentos fortalece a prática médica, já que os pacientes vão em busca de profissionais mais atualizados.  O presidente da Associação Médica Brasileira, José Gomes do Amaral, considera positiva a busca de informações. Mas ressalta que muitas fontes na rede não são confiáveis e o paciente não tem capacidade para distinguir o que é sério do que não é. "Na internet existe informação. O que o médico faz ao longo de sua formação é aprender a usá-la. Aí reside a complexidade da formação médica", diz. Por isso, a consulta com um médico continua sendo imprescindível. "Discernir o que é mais importante e colocar peso nas novidades que surgem é função do médico."   O cardiologista Carlos Scherr concorda. "Eu mesmo costumo indicar sites onde o paciente pode se aprofundar sobre o assunto com informações de qualidade científica comprovada." As páginas mais confiáveis, ressalta, são as de sociedades especializadas. "Tive casos de pacientes que leem sobre um estudo com uma quantidade pequena de pessoas e tomam como verdade. Há os que querem se tratar com célula-tronco, por exemplo, mas os resultados não são comprovados."  Helena Garbin lembra no estudo que esse fenômeno ainda vai crescer muito no País, porque apenas 16% dos lares brasileiros, segundo o IBGE, têm acesso à internet. Com ressalvas, ela faz parte do grupo que avalia positivamente o avanço desse hábito entre brasileiros. Em sua opinião, em consultas que duram, em média, de 10 a 15 minutos, não há muito tempo para que o médico possa se aprofundar. "O médico tem o conhecimento técnico, o paciente tem o conhecimento da sua dor. A busca de informações na internet aumenta o diálogo."  Muitas vezes, a busca de dados se dá por meio de listas de discussão, formadas por pacientes ou parentes de pessoas que sofrem de doenças crônicas, raras ou estigmatizadas. O químico e economista Carlos Varaldo criou um portal de informações sobre doenças do fígado. O site tem 28 mil usuários cadastrados - 600 são médicos. "Estamos no meio de uma revolução boa para a medicina porque vai acabar com a ideia de que o médico é um deus. Estudos comprovam que pacientes informados têm mais aderência ao tratamento", diz. Atualmente, há sites que oferecem até a possibilidade de o paciente montar um histórico seu sobre doenças, vacinas, cirurgias. Com isso, em caso de emergência, o médico pode acionar os dados por meio de senha.   Para o pediatra Carlos Alberto Simões, que atende em consultório há 22 anos, as pessoas estão sem confiança no profissional. "Tem paciente que busca informação por conta própria e muitas vezes chega dizendo o procedimento que acha que terá de ser feito. Corto logo, quem manda aqui sou eu." Helena, no entanto, chama a atenção para o aumento do número de "pacientes sem sintoma", que usam a rede para se autodiagnosticar e automedicar. "A obsessão pelo bem-estar leva à medicalização excessiva. Tudo vira doença com nome, medicamento e tratamento."  Impacto do uso da rede Prós:- Médicos precisam se manter atualizados e bem informados para argumentar com paciente- Consultas são feitas com o paciente, e não para ele - Comunidades virtuais dão apoio e informação aos doentes - O paciente está menos disposto a acatar passivamente as determinações médicas - Dúvidas que o paciente pode ter vergonha de esclarecer com o médico podem ser respondidas via web- Há mais informações sobre tratamentos oferecidos pela medicina alternativa Contras:- Ao extremo, pode levar à desprofissionalização e perda de autoridade do médico - Linguagem médica pouco acessível pode dar margem a interpretações erradas - Informações encontradas na internet podem ser incompletas, contraditórias, incorretas e até fraudulentas - Pode incentivar automedicação - Alguns sites são de empresas comerciais ou laboratórios interessados em divulgar remédios - Muitos sites de terapias alternativas contestam o conhecimento médico sem base científica  

Tudo o que sabemos sobre:
saúdewebdoenças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.