Busca por reféns em assalto em Cotiporã já dura 18h

Há mais de 18 horas a polícia do Rio Grande do Sul busca os assaltantes que fugiram após o ataque a uma fábrica de joias no município gaúcho de Cotiporã. Nove pessoas feitas reféns durante a fuga seguem desaparecidas, sete delas de uma mesma família.

TÁSSIA KASTNER, Agência Estado

30 Dezembro 2012 | 22h45

A expectativa da Brigada Militar era de que à noite os bandidos se movimentassem na mata da Serra Gaúcha e os reféns pudessem ser encontrados. Ainda não há indicação do paradeiro das vítimas.

Em entrevista no final da manhã, o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, afirmou que a prioridade da polícia é garantir a segurança dos reféns.

O assalto à fábrica de Cotiporã ocorreu por volta das 2h da manhã deste domingo. Para o ataque com explosivos, o bando rendeu alguns moradores da cidade que estavam em um bar no centro da cidade, para usá-los como escudo humano. Na fuga, os bandidos levaram nove pessoas como reféns.

Durante a fuga, o comboio foi interceptado pela polícia, houve troca de tiros, e o bandido mais procurado do Estado, Elisandro Rodrigo Falcão foi morto. Duas pessoas permaneceram com os bandidos e mais sete moradores da região foram feitos reféns. As buscas seguem no município, e todas as estradas da região estão sendo monitoradas para evitar a fuga dos bandidos.

Mais conteúdo sobre:
Rio Grande do Sul Cotiporã assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.