Bush quer ver se paz 'é possível ou não' no Oriente Médio

Líderes de EUA, Israel e palestino mostram esperança em relação à reunião de paz.

BBC Brasil, BBC

26 de novembro de 2007 | 18h35

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta segunda-feira que quer "ver se é possível ou não ter paz" no Oriente Médio.Ele fez o comentário ao falar sobre a conferência que deve se realizar nesta terça-feira na cidade americana de Annapolis, com a presença de representantes de mais de 40 países, para discutir o assunto.Em um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, Bush disse que está ansioso para prosseguir com o diálogo com o premiê israelense e com a Autoridade Palestina."Eu estou otimista, eu sei que você está otimista, e quero agradecer a você por sua coragem e amizade", disse Bush ao líder de Israel.Palestinos e israelenses têm defendido posições diferentes em relação aos resultados da conferência - enquanto os palestinos pedem o estabelecimento de um cronograma para a criação de um Estado próprio e a assinatura de uma declaração conjunta de princípios, Israel tem optado por não se comprometer com essas demandas.Também durante o encontro com Bush, Olmert agradeceu o apoio internacional à conferência de paz, dizendo que faz toda a diferença que tantos países tenham aceitado participar da reunião."Desta vez, é diferente, porque nós vamos ter muita participação no que, eu espero, será o lançamento de um sério processo de negociação com os palestinos", disse o premiê, comparando esta conferência com outras que ocorreram no passado."Nós e os palestinos vamos nos sentar juntos em Jerusalém e pensar em algo que será muito bom, criando uma grande esperança para nossos povos."O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, teve um encontro separado com Bush, no qual voltou a deixar claro que espera resultados concretos no encontro de Annapolis, que chamou de "histórico"."Nós temos muita esperança de que esta conferência produza negociações sobre o status permanente (de um Estado palestino), negociações ampliadas sobre todas as questões relacionadas ao status permanente entre Israel e o povo palestino, um acordo para garantir segurança e estabilidade", disse Abbas.Israelenses e palestinos continuam tentando chegar a um consenso sobre um documento conjunto a ser divulgado na conferência, em que seriam estabelecidos os termos das futuras negociações.Um assessor de Abbas, Yasser Abed Rabbo, disse que um consenso seria alcançado ainda nesta segunda-feira. Por outro lado, o Conselheiro de Segurança Nacional de Bush, Stephen Hadley, já afirmou que "esta não é uma sessão de negociação, ela vai apenas lançar as negociações".Cerca de 50 países, entre eles o Brasil, e organizações foram convidados para a reunião de Annapolis. Boa parte dos convidados, entretanto, tem pouca ou nenhuma ligação com o conflito entre israelenses e palestinos.Síria e Arábia Saudita, dois países que não reconhecem Israel, confirmaram a participação no encontro, o que foi interpretado como um sinal importante do apoio árabe à conferência de paz.A última negociação mais decisiva entre israelenses e palestinos ocorreu há sete anos, mas as questões-chave do encontro desta terça-feira não mudaram: a divisão de Jerusalém, a forma de um futuro Estado palestino e o destino dos refugiados palestinos exilados.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.