Cabeleira poderosa

Perucas mudam o visual sem arriscar as madeixas e se transformam em acessórios das baladeiras

Ciça Vallerio ,

12 de fevereiro de 2011 | 16h00

Carnaval e peruca fazem uma dobradinha perfeita. A folia pagã está chegando, mas os modelos coloridos têm feito sucesso também em baladas e festas descoladas. Com uma dessas na cabeça, nem precisa de uma roupa espetacular para "causar". A DJ Ana John, de 38 anos, fez delas a sua marca registrada. Quem não lembra seu nome, refere-se a ela como a "DJ das perucas coloridas". Já são 15 na sua coleção, sempre de corte chanel. "Elas deixam o look marcante", atesta.

 

Antes de se tornarem um hit, suas perucas funcionavam como disfarce. É que Ana trabalhava como executiva de marketing de uma multinacional e não queria se expor quando atuava por hobby como DJ em casas noturnas. "Tinha receio que associassem a minha imagem profissional à ideia que se costuma fazer de quem curte noite, que é a de gente drogada e louca, apesar de eu ser careta e mãe de dois filhos", conta.

 

Quando Ana abandonou o emprego para ter mais tempo para os filhos, resolveu investir no hobby e também nas perucas. Não é qualquer uma, porém, que compõe seu visual. Ela foge das sintéticas, conhecidas popularmente como "boneca": são as mais baratas, de fios pesados e menos resistentes. Com modelos de melhor qualidade, a DJ pode dançar sem ficar descabelada, suar sem que os fios grudem e ainda aguentar a fumaça de cigarro nos muitos eventos corporativos e festanças em que discoteca.

 

Enquanto os modelos populares chegam a custar em média R$ 70, as seminaturais valem R$ 500 ou bem mais. Em contrapartida, têm aspecto mais real e duram uma eternidade se a manutenção for adequada. Já as de fios naturais são muito mais procuradas por mulheres que passaram por quimioterapia e podem custar verdadeiras fortunas.

Cuidados. Para que as perucas durem, a recomendação é lavar com xampu neutro, secar à sombra e pentear com escova apropriada, ou cerdas de metal ou aquelas com ponta de bolinha. "É proibido usar secador e tinturas", avisa Isa Dias, gerente da Revlon Perucas. "Para mudar o corte, só com cabeleireiros que usem navalha."

 

 

Algumas lojas, contudo, oferecem serviço de manutenção de seus produtos. A fabricante Hi-Fi lava, hidrata e penteia as perucas por R$ 25. E quem deseja mudar o look apenas num fim de semana, há opção de aluguel a partir de R$ 75.

 

As perucas são, também, uma alternativa para experimentar uma mudança radical rápida, tanto no corte quanto na cor, sem colocar em risco as madeixas verdadeiras.

 

Os modelos mais procurados atualmente, de acordo com Nilta Murcelli, proprietária da tradicional Nilta Perucas, são os de cabelos lisos e de cores claras. "As pessoas procuram mudanças, visual novo e autoestima", resume.

 

 

As perucas

 

Ana John: O modelo, seminatural e enraizado (que fica mais próximo do real), custa R$ 480

 

A chanel azul  (1), R$ 180, e  a ruiva comprida que dá até para fazer penteados (2), R$ 280, são as sintéticas da Revlon Perucas

 

As sintéticas da Nilta Perucas custam R$ 250 (3 - a amarela) e R$ 500 (4 - a preta com mechas brancas)

 

 

SERVIÇO:

NILTA PERUCAS: RUA AUGUSTA, 2.337, JARDINS, TEL.: 3085 9907

REVLON PERUCAS: RUA AUGUSTA, 2.340, JARDINS, TEL.: 3085-9080

HI-FI: AVENIDA PACAEMBU, 811, TEL.: 3826-5515

Tudo o que sabemos sobre:
femininoperucas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.