Cabo Bruno quer deixar prisão ainda hoje, diz advogado

O ex-policial militar Florisvaldo de Oliveira, conhecido como Cabo Bruno, deve deixar ainda nesta quinta-feira o presídio de Tremembé, na região do Vale do Paraíba em São Paulo. O indulto pleno foi concedido na quarta-feira pela 2ª Vara de Execuções de Taubaté, também no interior do Estado, conforme informação do Tribunal de Justiça.

GHEISA LESSA, Agência Estado

23 de agosto de 2012 | 15h05

O advogado dele, Fábio Tondati Ferreira Jorge, afirmou ao Grupo Estado que o ex-policial militar pretende sair ainda nesta quinta e ir direto para sua residência, sem informar a localização. Segundo Tondati, Oliveira foi exonerado do cargo e pretende viver vendendo quadros.

Acusado de matar ao menos 50 pessoas, Cabo Bruno ficou conhecido na década de 1980, quando estaria no comando de um esquadrão da morte. Depoimentos afirmam que a maioria eram bandidos da periferia da zona sul de São Paulo.

De acordo com a sentença, ele foi condenado a 117 anos, quatro meses e três dias de reclusão. O agente militar foi preso em 26 de setembro de 1983. O documento com o alvará de soltura, assinado pela juíza Marise Terra Pinto Bourgogne de Almeida, toma por base o artigo 5º do Decreto Presidencial 7.648, de 21 de dezembro de 2011.

Durante o período de reclusão, a Justiça registrou três fugas, sendo a última recaptura em maio de 1991. Após cumprir 20 anos de prisão ininterrupta, Cabo Bruno adquiriu o direito de indulto, afirma o documento, em 29 de maio de 2011. Conforme a decisão, Oliveira se comportou bem durante o cumprimento da pena, sem cometer faltas disciplinares.

Tudo o que sabemos sobre:
Cabo BrunoJustiçaliberdadeatualiza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.