Cabral: preocupação é viabilizar cidade e recuperar vida

Ao visitar hoje, rapidamente, o bairro do Caleme, uma das regiões mais castigadas pelas chuvas em Teresópolis, o governador Sérgio Cabral afirmou que "ninguém está preocupado com dinheiro, mas com condições materiais que permitam viabilizar de novo a cidade e recuperar a vida das pessoas". Segundo ele, cinco mil famílias já foram autorizadas a receber o pagamento do aluguel social. O governador não soube dizer se nestas cidades há disponibilidade de imóveis para serem alugados: "Se não houver condições na própria cidade, terá que se encontrar uma cidade vizinha".

MARCELO AULER, ENVIADO ESPECIAL, Agência Estado

14 de janeiro de 2011 | 20h02

Somente para Teresópolis, segundo explicou hoje o prefeito Jorge Mario Sedlacek, já houve autorização da presidente Dilma Rousseff para o pagamento de 2.500 aluguéis sociais, que deverão ficar em torno de R$ 400 e R$ 500 mensais cada um. Eles serão doados para as famílias sem casa até que o município consiga, com ajuda do governo federal, construir casas populares. Sedlacek não sabe se em Teresópolis há disponibilidade de tantos imóveis vazios para alugar nesta faixa de preço.

Do lado de fora do ginásio Pedro Rage Jahara, uma fila grande de pessoas se formou para aguardar o cadastro para receber o benefício. Entre os interessados, hoje, estavam a doméstica Terezinha de Oliveira, de 63 anos, e o filho, o vigilante Laerte, de 22 anos. Outras 1.300 pessoas foram retiradas de casa e aguardam providências do governo, sem saber onde vão morar.

Terezinha e o marido, o aposentado Reginaldo Teixera, deixaram a casa em que residiam havia 16 anos por ela ser considerada construção em área de risco, embora permaneça de pé. Já a casa do filho, no Campo Grande, ruiu. Ele, a mulher e dois filhos foram para a casa da cunhada dele - onde moravam quatro pessoas, hoje estão mais 15, contando todos os parentes que ficaram desabrigados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.