Caça à baleia na Noruega será a maior em 25 anos

Caça à baleia na Noruega será a maior em 25 anos

O governo da Noruega, que, ao lado do Japão, é um dos países que mais caçam baleias, autorizou os caçadores a matar este ano 1.286 animais, a maior cota dos últimos 25 anos. Ativistas contra a caça de baleias estão preparando protestos, já que as cotas fixadas pelo governo norueguês são unilaterais e desafiam a proibição global à caça comercial do animal.

Afra Balazina e Andrea Vialli, O Estadao de S.Paulo

03 de abril de 2010 | 00h00

"A decisão unilateral do governo da Noruega de permitir a maior caça em 25 anos desafia a lógica, assim como a opinião popular naquele país", disse Claire Bass, gerente de Mamíferos Marinhos da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA, na sigla em inglês).

Segundo ela, o mercado para produtos derivados da carne de baleia está em declínio. "Estipular uma cota absurdamente grande não irá mudar isso."

No Japão, o polêmico programa de "caça científica", como chama o governo, pretende matar 1.280 baleias este ano, apesar de haver grandes estoques de produtos derivados de baleias, que lotam os depósitos.

NOVOS TEMPOS

Nasa aumenta verba para estudo climático

Oficiais da Nasa, a agência espacial americana, afirmaram ao jornal The Washington Post que vão aumentar o orçamento destinado às pesquisas na área de clima nos próximos cinco anos. O objetivo é compensar os anos da era Bush, em que os recursos para o tema foram cortados. De acordo com Edward Weiler, coordenador de Ciência da Nasa, o orçamento para a área de estudos sobre a Terra terá uma expansão de 62% até 2015, o equivalente a um incremento de US$ 2,4 bilhões. Esses recursos custearão mais de dez missões, que coletarão informações sobre a temperatura dos oceanos, camada de ozônio e cobertura glacial.

MÚSICA

Bandas de rock aderem ao marketing verde

Depois de bandas de outros países, como Pearl Jam, Coldplay e Radiohead, agora os brasileiros do grupo de metal Sepultura vão plantar árvores para compensar as emissões de gases de efeito estufa de suas atividades. Serão plantadas 5 mil mudas para compensar as emissões da turnê europeia da banda, que terá 68 apresentações em 17

Países.

UNIVERSIDADE

Painéis de energia solar mais eficientes

A Faculdade de Engenharia da Unesp de Bauru (SP) desenvolveu um sistema mais eficiente de geração de energia solar. O projeto modifica a estrutura mecânica que segura os painéis fotovoltaicos. Com a mudança, o dispositivo se movimenta para aproveitar ao máximo a incidência de luz, gerando 53% mais eletricidade. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.