Cada vez mais robusto e encorpado

Perto de alcançar a maioridade, o ExpoVinis Brasil se consagra como o maior salão de vinhos das Américas, atrai expositores de mais de 30 países e aposta no fortalecimento das rodadas de negócios - sem esquecer do enófilo

MARCEL MIWA , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

25 Abril 2013 | 02h11

Uma olhada rápida em alguns números revela porque esta é uma semana das mais importantes no calendário enófilo brasileiro: mais de 400 expositores de cerca de 30 países, 60 vinícolas nacionais, 5 mil rótulos apresentados e a expectativa de que 60 mil garrafas sejam consumidas por um público estimado em 20 mil pessoas garantem ao ExpoVinis Brasil o título de maior salão de vinhos das Américas. O evento abre hoje e amanhã para o público no Expo Center Norte, em São Paulo, e este ano não terá a Brasil Cachaça, apesar de a feira paralela ter sido inicialmente anunciada.

Se o tamanho impressiona, o amadurecimento do ExpoVinis chama ainda mais a atenção. Seguindo a receita das grandes feiras mundiais, como Vinitaly (Itália), ProWein (Alemanha) e Vinexpo (França), o salão chega à 17ª edição mais focado na comercialização, com estandes dominados por vinícolas e associações setoriais de vários países, que desembarcam no País em busca de novos negócios.

Até pouco tempo, as grandes atrações eram importadores estabelecidos no mercado nacional, sedentos por ampliar o número de consumidores e a divulgação de suas marcas. Hoje, prevalecem as rodadas de negócios, com compradores estrangeiros (para os vinhos nacionais) e brasileiros. Para este ano, a expectativa é que o volume negociado durante a feira ultrapasse 25 milhões de reais.

Ainda assim, o enófilo não deve se sentir preterido. Não faltam rótulos para serem experimentados e, em alguns casos, com acesso ao produtor. A forma mais divertida de iniciar o passeio é partir para a degustação diretamente nos estandes. Se tiver perfil mais organizado, comece pelos espumantes, siga para brancos, rosês, tintos e finalize com fortificados e vinhos de sobremesa. Mas não deixe de visitar o Pavilhão da França, a Câmara Italiana, o Ibravin e a Federación del Vino Espanõl.

Outra possibilidade é dividir a degustação por temas, como uvas ou sub-regiões - o inconveniente é ir e voltar várias vezes a alguns estandes. Se preferir um ambiente mais calmo, opte pelos painéis, como "Portugal - A Escolha do enólogo" (José Maria Santana), "Destaques do Chile - Carignan e Pinot Noir" (Jorge Lucki) e "Os Melhores Importados do Top Ten" (Hector Riquelme), todos na sala Premium (veja a programação no site).

Há ainda a possibilidade de participar de demonstrações gratuitas, mediante prévia inscrição, com destaque para os painéis "Os Cortes dos Vinhos do Alentejo", no estande Vinhos do Alentejo, "Inovação em Espumante Chileno - Miguel Torres" (Wines of Chile) e "Cooperativa La Spiga/Brunello Producers" (na sala de degustação ExpoVinis).

Para aproveitar toda a diversidade do ExpoVinis, não hesite em usar o balde "cuspidor" e vá de táxi. Boa maratona!

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.